Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

EUA vão desenvolver míssil de cruzeiro capaz de levar ogiva nuclear

As empresas americanas Lockheed Martin e Raytheon irão desenvolver um novo míssil capaz de levar ogivas nucleares para bombardeiros de longo alcance, informou na quarta-feira a assessoria de imprensa da Força Aérea norte-americana.


Sputnik

Segundo informou assessoria de imprensa, os contratos iniciais serão de 900 milhões de dólares (2,8 bilhões R$) com um prazo de 54 meses. Depois disso, a Força Aérea dos EUA escolherá uma das duas empresas para produzir 1.000 mísseis deste tipo. Contudo, nem todos serão equipados com ogivas nucleares.


Bombardeiro estratégico B-52 da Força Aérea dos EUA (foto de arquivo)
Bombardeiro estratégico norte-americano B-52 Stratofortress © REUTERS/ Tim Chong

"Esta arma nos permitirá modernizar a parte aérea da nossa tríade nuclear", declarou a secretária da Força Aérea dos EUA. Ela disse estar segura de que a "estratégia de contenção funciona em relação aos adversários dos EUA, que podem avaliar o grau de risco".

A secretária sublinhou também que esta arma ampliará as capacidades da Força Aérea dos EUA e será eficaz no ponto de vista de gastos.

Como informou agência Bloomberg, a empresa Boeing que estava elaborando o mesmo tipo de mísseis, desta vez não entrou na lista dos "finalistas". Os representantes da Boeing afirmam que estão decepcionados por a sua empresa não ter sido escolhida e que esperam "receber mais informações da Força Aérea dos EUA quanto à decisão tomada".


Postar um comentário