Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

Explosões são responsáveis por 40% dos feridos em Al Raqqa, diz MSF

EFE

As explosões de artefatos, os bombardeios e os disparos de artilharia são responsáveis por 40% dos feridos procedentes da cidade de Al Raqqa, no nordeste da Síria, que é alvo de uma ofensiva contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI), disse nesta sexta-feira à Agência Efe um responsável da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF).


EFE/Sedat Suna
EFE/Sedat Suna

O coordenador do projeto da MSF em Al Raqqa, Robert Onus, também explicou por telefone que os disparos de armas de fogo são responsáveis por 35% de feridos, "muitos deles causados quando as vítimas tentavam fugir" da localidade.

Para o coordenador da MSF, o principal desafio para as equipes de saúde em Al Raqqa é ter acesso aos pacientes.

"Um dos desafios principais é ter acesso aos feridos e doentes, já que não podemos ter contato com os que estão dentro da cidade. Os pacientes, por sua vez, tampouco podem sair para ter acesso a nosso atendimento", destacou Onus.

A MSF é uma das poucas organizações médicas que prestam atendimento a feridos e doentes na província de Al Raqqa e em outras áreas do nordeste da Síria.

A ONG administra, em colaboração com as autoridades de saúde locais, as atividades de oito ambulâncias presentes em diversos pontos de Al Raqqa e oferece apoio a um posto medico avançado perto da cidade.

Nessa instalação, os pacientes são estabilizados antes de serem levados para os hospitais de Kobani, na província vizinha de Aleppo, e Tel Abiad, no norte da região de Al Raqqa.

Desde o dia 6 de junho, a localidade da Al Raqqa é alvo de uma ofensiva das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas e apoiada pelos EUA, que querem expulsar o EI da cidade, considerada a capital do califado autoproclamado pelos extremistas em 2014.



Postar um comentário