Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Explosões são responsáveis por 40% dos feridos em Al Raqqa, diz MSF

EFE

As explosões de artefatos, os bombardeios e os disparos de artilharia são responsáveis por 40% dos feridos procedentes da cidade de Al Raqqa, no nordeste da Síria, que é alvo de uma ofensiva contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI), disse nesta sexta-feira à Agência Efe um responsável da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF).


EFE/Sedat Suna
EFE/Sedat Suna

O coordenador do projeto da MSF em Al Raqqa, Robert Onus, também explicou por telefone que os disparos de armas de fogo são responsáveis por 35% de feridos, "muitos deles causados quando as vítimas tentavam fugir" da localidade.

Para o coordenador da MSF, o principal desafio para as equipes de saúde em Al Raqqa é ter acesso aos pacientes.

"Um dos desafios principais é ter acesso aos feridos e doentes, já que não podemos ter contato com os que estão dentro da cidade. Os pacientes, por sua vez, tampouco podem sair para ter acesso a nosso atendimento", destacou Onus.

A MSF é uma das poucas organizações médicas que prestam atendimento a feridos e doentes na província de Al Raqqa e em outras áreas do nordeste da Síria.

A ONG administra, em colaboração com as autoridades de saúde locais, as atividades de oito ambulâncias presentes em diversos pontos de Al Raqqa e oferece apoio a um posto medico avançado perto da cidade.

Nessa instalação, os pacientes são estabilizados antes de serem levados para os hospitais de Kobani, na província vizinha de Aleppo, e Tel Abiad, no norte da região de Al Raqqa.

Desde o dia 6 de junho, a localidade da Al Raqqa é alvo de uma ofensiva das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas e apoiada pelos EUA, que querem expulsar o EI da cidade, considerada a capital do califado autoproclamado pelos extremistas em 2014.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas