Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia quer ajudar Iraque a combater curdos em Kirkuk

A Turquia informou nesta segunda-feira que estava pronta para ajudar o governo iraquiano a expulsar os combatentes curdos da cidade de Kirkuk, informou AFP.
Sputnik

Ancara teme que a eventual independência do Curdistão iraquiano pode desencadear movimentos semelhantes entre a população curda na Turquia e saudou a operação das forças iraquianas para expulsar as forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de Kirkuk.


"Estamos prontos para qualquer forma de cooperação com o governo iraquiano de modo a acabar com a presença do PKK no território do Iraque", disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

O Conselho de Segurança Nacional do Iraque afirmou neste domingo que considerará a presença de militares curdos em Kirkuk como um "declaração de guerra".

Na segunda-feira, as forças iraquianas tomaram amplos territórios nos arredores da cidade, bem como uma base militar, um aeroporto e um campo petrolífero.

Em 2014, as tropas peshmerga curdas …

Fim da presença americana em Okinawa? Ministro japonês quer rever acordo

O novo ministro do governo japonês para assuntos de Okinawa e "territórios do norte" – quatro ilhas russas (do arquipélago das ilhas Curilas) disputadas por Tóquio, Tetsuma Esaki, manifestou-se a favor da revisão dos acordos com os EUA quanto ao estatuto das tropas norte-americanas.


Sputnik

"É necessário rever mais um pouco o acordo sobre estatuto das Forças [Armadas dos EUA]", a agência Kyodo cita as palavras do novo ministro.



Militares norte-americanos junto a caças F-22A Raptor da Força Aérea dos EUA na base militar estadunidense , na ilha de Okinawa, Japão
Militares norte-americanos com um F-22 Raptor ao fundo na base militar dos EUA em Okinawa © AFP 2017/ Yoshikazu TSUNO

De acordo com ele, "o governo deve responder apropriadamente às emoções dos civis e dizer aos EUA o que deve ser dito, mesmo que leve tempo, mas reagir é vital".

Segundo sublinha a agência, Tetsuma Esaki é responsável pelos assuntos ligados ao desenvolvimento econômico da prefeitura de Okinawa. Por esta razão, não é comum que ele levante questões tão sensíveis, como a revisão do estatuto das tropas estadunidenses.

Destaca-se que o ministro fez esse anúncio quando o governo do Japão pediu aos EUA para parar voos de aeronaves militares Osprey após queda de um helicóptero militar deste mesmo modelo na costa leste da Austrália.


O vice-governador de Okinawa, Moritake Tomikawa, encontrou-se com o comandante das forças dos EUA em Okinawa, o tenente-general Lawrence Nicholson, e expressou seu descontentamento pelos EUA não cessarem os voos de aeronaves Osprey apesar das repetitivas solicitações das autoridades locais e dos residentes.

Apesar de o vice-governador de Okinawa ter pedido aos EUA para interromper o uso dos Ospreys pelo menos até o fim da investigação do acidente ocorrido, a emissora revelou que os voos continuam sendo realizados na região saindo da base norte-americana de Futenma, na mesma prefeitura. O responsável militar dos EUA respondeu que os "helicópteros Osprey voam por todo o mundo e a política militar é assim mesmo".

Segundo dados fornecidos à Sputnik pela administração da prefeitura, em Okinawa há 25.800 militares norte-americanos e 19.000 familiares e civis dos EUA. A região comporta 70% de todas as estruturas militares dos EUA no Japão, embora Okinawa represente apenas 1% do território japonês.

Além do incômodo psicológico causado pelo barulho das aeronaves, os habitantes de Okinawa se preocupam com a poluição ambiental e o aumento da criminalidade — provocados pela base aérea.

Em janeiro desse ano, os EUA e o Japão assinaram o acordo que limita a imunidade jurídica de alguns militares que estão em serviço nessa base.



Postar um comentário