Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

França nacionaliza o único estaleiro capaz de construir porta-aviões

O governo francês retomou o maior estaleiro do país em Saint-Nazaire, na costa atlântica, para evitar que a empresa italiana Fincantieri obtivesse uma participação majoritária


Poder Naval

Os governos francês e italiano continuam em desacordo sobre a propriedade do maior estaleiro da França.

Porta-aviões Charles De Gaulle em faina de docagem

Na semana passada, o governo francês nacionalizou o estaleiro STX France em Saint-Nazaire, na costa atlântica, para evitar que uma participação majoritária fosse tomada por uma empresa italiana.

O governo francês disse que buscava defender os interesses estratégicos da França, mantendo uma participação de 50%.

O ministro das Finanças francês retomou as negociações sobre o acordo em Roma na última terça-feira.

O estaleiro é o único na França grande o suficiente para construir porta-aviões e também constrói outros grandes navios de guerra e navios de cruzeiro. O maior navio de cruzeiro do mundo, Harmony of the Seas, foi construído lá.

O estaleiro foi posto à venda após o maior acionista, o conglomerado sul-coreano STX, entrar em colapso no ano passado. O governo francês possuía o restante das ações no estaleiro.

A construtora italiana Fincantieri e outro investidor italiano chegaram posteriormente a um acordo para comprar uma participação maioritária no estaleiro naval.

“Melhores condições”

No entanto, em meados de julho, o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, anunciou que a França exerceu um direito de “pré-concessão” de recomprar a participação dos italianos.

Ele disse que o motivo era proteger os interesses estratégicos da França em matéria de construção naval.

A França propôs um acordo de propriedade 50-50 com a estatal Fincantieri italiana, mas a empresa rejeitou a idéia.

No entanto, o senhor Le Maire disse que a proposição, que permitiria preservar os interesses estratégicos da França, permaneceu na mesa.

Ele disse que viajaria para Roma no dia 1º de agosto para discutir isso com ministros do governo italiano.

Em um comunicado, o Sr. Le Maire disse que a decisão de nacionalizar o estaleiro de Saint-Nazaire foi apenas temporária. No entanto, o movimento deu à França tempo para negociar as “melhores condições possíveis” para a participação da Fincantieri no estaleiro, acrescentou.

A Itália respondeu contra a decisão francesa de impedir que a Fincantieri ficasse com a maioria. Em uma declaração conjunta, o ministro da Economia, Pier Carlo Padoan, e o ministro da Indústria, Carlo Calenda, disseram: “o nacionalismo e o protecionismo não são uma base aceitável para o estabelecimento de relações entre dois grandes países europeus.

“Para trabalhar em projetos conjuntos, você precisa de confiança e respeito recíprocos”.
Postar um comentário