Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Incidente envolvendo o destróier John McCain deixou inquietos os aliados dos EUA

Os EUA não encontraram vestígios de qualquer ciberataque envolvendo o destróier USS John McCain. O cientista político Aleksandr Safonov opinou em uma entrevista ao serviço russo da Radio Sputnik que a atenção acrescida dada pelos EUA e seus aliados ao incidente não é acidental.


Sputnik

A Marinha dos EUA, que está investigando o incidente envolvendo o destróier de mísseis John McCain no estreito de Malaca, até o momento não conseguiu achar provas que o navio tenha sido alvo de um ciberataque.


Destróier USS John S. McCain (DDG 56) da Marinha dos EUA (arquivo)
USS John S. McCain (DDG 56) da US Navy © AP Photo/ Bullit Marquez


"Atualmente não há indícios de um ciberataque ou sabotagem, no entanto a investigação vai considerar todas as opções possíveis", escreveu na sua conta no Twitter o chefe de Operações Navais dos EUA, almirante John Richardson.

O USS John McCain colidiu com o petroleiro Alnic MC no estreito de Malaca em 21 de agosto quando se dirigia para o porto de Singapura. Após a colisão dez marinheiros desapareceram e outros cinco ficaram feridos. Entre a tripulação do navio-tanque Alnic MC não houve vítimas.

O Comando da Sétima Frota da Marinha dos EUA informou em um comunicado que o casco do contratorpedeiro ficou seriamente danificado.

"Danos significativos no casco provocaram a inundação dos compartimentos contíguos, incluindo camarotes da tripulação, sala das máquinas e sala de comunicações", diz o comunicado.

Este é o segundo incidente neste verão envolvendo uma embarcação americana. Em meados de junho, o destróier USS Fitzgerald colidiu contra um porta-contêineres filipino próximo à costa do Japão. A colisão causou um rombo no casco abaixo da linha de água e fez sete mortos.

Devido à regularidade dos acidentes, o almirante John Richardson decretou a paragem temporária de todas as operações navais.

Segundo Aleksandr Safonov, é o fato de o USS John McCain e os outros navios dessa Frota se destinarem a se oporem à Coreia do Norte que causa tanta polêmica.

"Acredito que as causas do incidente são a 'bagunça' geral que se vive na Sétima Frota, já que este não é o primeiro episódio do gênero que deixou vítimas mortais. Por que esse episódio chama tanta atenção? Porque a principal pergunta que os aliados dos EUA, incluindo a Coreia do Sul e o Japão, estão colocando é: o que vai acontecer se a Sétima Frota, do jeito como é bagunçada, provocar uma crise coreana? Porque o objetivo tanto do John McCain quanto dos outros navios dessa Frota é fazer frente à Coreia do Norte. Creio que se a situação em torno da Península da Coreia não fosse tão tensa, a reação a esses incidentes seria muito menos agitada", resumiu o especialista.


Postar um comentário