Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Político alemão: é impossível pôr a Rússia de joelhos com 'sanções estúpidas'

O governo alemão está enganado se pensa que "estas sanções estúpidas" podem a Rússia de joelhos, declarou o presidente da bancada do partido Die Linke no Bundestag, Dietmar Bartsch.


Sputnik

"É absurdo! Quem conhece a Rússia e se lembra de que, nos anos da Segunda Guerra Mundial, milhões de pessoas morreram ali de fome e sede mas não se renderam, não poderia crer seriamente que estas sanções estúpidas pudessem pôr o país de joelhos", disse ele ao diário Bild.


Bundestag, sede do parlamento alemão
Bundestag, sede do parlamento alemão © flickr.com/ Hernán Piñera

Em sua opinião, as medidas restritivas apenas fortalecem a autoridade de Vladimir Putin, que defende os interesses da Rússia.

"Isso faz com que a gente – e tenho muitos amigos ali – diga: 'Então, Putin é melhor porque não permite conter a Rússia!'", afirmou o político alemão.

Dietmar Bartsch também respondeu àqueles que qualificam os membros do seu partido como "simpatizantes" de Putin.

"Entender Putin significa conhecer a língua russa e compreender a mentalidade russa. Não há nada de mal nisso", sublinhou.


Postar um comentário