Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Por que motivo Japão decidiu não abater míssil norte-coreano?

O Japão não tomou medidas para abater o míssil lançado pela Coreia do Norte que sobrevoou seu território, pois não representava ameaça alguma para o país, declarou o ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera.


Sputnik

"Os radares das Forças de Autodefesa detectaram o voo do míssil, mas, sendo que não havia ameaça de sofrer danos, foi tomada a decisão de não o abater", declarou o ministro japonês.


Sistema da defesa antimíssil SAM-4 do Japão
Sistema antimísseis japonês SAM-4 © Foto: Wikimedia

No entanto, ele adicionou que o voo do míssil em tal trajetória representa um perigo sério para a segurança da região e viola a resolução da ONU.

De acordo com o ministro, o mais provável é que o míssil lançado tenha sido de médio alcance. O projétil teria se partido em três antes de cair no mar. Não há relatos de danos ou feridos.

Na terça-feira (29) de manhã (horário local), a Coreia do Norte disparou um míssil que sobrevoou o território japonês e, 14 minutos depois, caiu a 1.180 km de Hokkaido.

A última vez que um míssil de Pyongyang sobrevoou o Japão foi em 2009, quando o país de Kim Jong-un afirmou estar lançando um satélite de telecomunicações, mas a comunidade internacional interpretou o ato como um teste de um míssil balístico intercontinental.


Postar um comentário