Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Situação na Coreia do Norte recorda barril de pólvora, diz parlamentar russo

A situação da Coreia do Norte recorda um barril de pólvora e pode levar a consequências incorrigíveis para toda a comunidade internacional, disse o presidente da Comissão de Assuntos Internacionais da Duma de Estado(câmara baixa do parlamento russo) da Rússia, Leonid Slutsky.


Sputnik

Não é de excluir que o último lançamento de míssil norte-coreano possa ser debatido no Conselho de Segurança da ONU, acrescentou.


Lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte
Lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte © REUTERS/ KCNA

Na manhã desta terça-feira (29), a Coreia do Norte realizou mais um teste de míssil balístico, supostamente, de alcance médio que após ter sobrevoado o Japão teria caído no oceano Pacífico. Os Estados Unidos e a Coreia do Sul prometeram dar "uma resposta forte" a Pyongyang, incluindo possibilidade de ação militar no caso de eventuais provocações. O Japão, os EUA e a Coreia do Sul exigiram reunião do Conselho de Segurança da ONU.

"A situação na península da Coreia cada vez mais se parece com um barril de pólvora. Isso não pode deixar de causar preocupação. Os lançamentos contínuos de mísseis balísticos norte-coreanos, por um lado, e as ações provocantes do Ocidente em relação a Pyongyang, por outro, podem levar a consequências irrecuperáveis para toda comunidade mundial", ressaltou Slutsky em entrevista a jornalistas.

O parlamentar reforça que a Rússia nunca apoiou "o autoproclamado estatuto de poder nuclear de Pyongyang e votou de forma coerente para resolução da solução no Conselho de Segurança da ONU". Ainda que todas as possíveis resoluções e sanções já tenham sido adotadas, é bem provável que o último lançamento de míssil seja submetido a um novo debate no Conselho de Segurança da ONU, apontou Slutsky.

"Continuo tendo certeza de que a intervenção militar só levará a um impasse. A Rússia promove consistentemente a solução diplomática do problema norte-coreano. Qualquer aumento da tensão é capaz de inflamar a pólvora", concluiu.


Postar um comentário