Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Situação na Coreia do Norte recorda barril de pólvora, diz parlamentar russo

A situação da Coreia do Norte recorda um barril de pólvora e pode levar a consequências incorrigíveis para toda a comunidade internacional, disse o presidente da Comissão de Assuntos Internacionais da Duma de Estado(câmara baixa do parlamento russo) da Rússia, Leonid Slutsky.


Sputnik

Não é de excluir que o último lançamento de míssil norte-coreano possa ser debatido no Conselho de Segurança da ONU, acrescentou.


Lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte
Lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte © REUTERS/ KCNA

Na manhã desta terça-feira (29), a Coreia do Norte realizou mais um teste de míssil balístico, supostamente, de alcance médio que após ter sobrevoado o Japão teria caído no oceano Pacífico. Os Estados Unidos e a Coreia do Sul prometeram dar "uma resposta forte" a Pyongyang, incluindo possibilidade de ação militar no caso de eventuais provocações. O Japão, os EUA e a Coreia do Sul exigiram reunião do Conselho de Segurança da ONU.

"A situação na península da Coreia cada vez mais se parece com um barril de pólvora. Isso não pode deixar de causar preocupação. Os lançamentos contínuos de mísseis balísticos norte-coreanos, por um lado, e as ações provocantes do Ocidente em relação a Pyongyang, por outro, podem levar a consequências irrecuperáveis para toda comunidade mundial", ressaltou Slutsky em entrevista a jornalistas.

O parlamentar reforça que a Rússia nunca apoiou "o autoproclamado estatuto de poder nuclear de Pyongyang e votou de forma coerente para resolução da solução no Conselho de Segurança da ONU". Ainda que todas as possíveis resoluções e sanções já tenham sido adotadas, é bem provável que o último lançamento de míssil seja submetido a um novo debate no Conselho de Segurança da ONU, apontou Slutsky.

"Continuo tendo certeza de que a intervenção militar só levará a um impasse. A Rússia promove consistentemente a solução diplomática do problema norte-coreano. Qualquer aumento da tensão é capaz de inflamar a pólvora", concluiu.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas