Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Ucrânia oficialmente declarará Rússia como 'país-agressor'

De acordo com o projeto de lei ucraniana sobre a reintegração de Donbass, a Rússia passará a ser oficialmente reconhecida como "país-agressor".


Sputnik

Segundo declarou a representante oficial do presidente da Ucrânia na Suprema Rada (parlamento ucraniano), Irina Lutsenko, o projeto de lei "está 99,9% concluído e pronto para aprovação do parlamento".


Praça de Independência (Maidan Nezalezhnosti) em Kiev, Ucrânia
Praça da Independência (Maidan Nezalezhnosti) em Kiev, Ucrânia © Sputnik/ Vitaliy Belousov

Ao mesmo tempo, ela destacou que a Ucrânia teve consultas quanto a esse assunto com o Quarteto da Normandia (Rússia, Ucrânia, Alemanha, França) e com os EUA, informa o canal Pyatyi.

"Pela primeira vez a nível legislativo será introduzida definição de que a Rússia é um país-agressor", sublinhou.

Além disso, a representante oficial do presidente ucraniano acrescentou que o projeto de lei ucraniana sobre a reintegração de Donbass cita o artigo 51 da Carta das Nações Unidas quanto à autodefesa. "Isso significa que a Ucrânia tem direito de se proteger. Mais uma vez, não é uma guerra, mas sim autodefesa. Isso é feito para que o Fundo Monetário Internacional e investidores nos forneçam recursos", explicou.

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, anunciou anteriormente que iria submeter ao parlamento um projeto de lei sobre a reintegração de Donbass, que, em particular, prevê o estabelecimento de um regime de ações militares da Ucrânia. O presidente se manifestou contra a suspensão da "operação antiterrorista" (como Kiev classifica a operação militar em Donbass). Como afirmado no parlamento, a lei excluiria a realização de quaisquer eleições na região até que Kiev restabeleça o controle na região.


Postar um comentário