Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Após tomar 'chapéu' de Pyongyang, Japão terá defesa antimísseis fortalecida pelos EUA

O secretário da Defesa dos EUA, James Mattis, declarou que os Estados Unidos estão cooperando com o Japão para ampliar as capacidades da sua defesa antimísseis.


Sputnik

Nesta quarta-feira o secretário manteve uma conversa telefônica com o ministro da defesa do Japão, Itsunori Onodera.


Forças de Autodefesa do Japão
Forças de Autodefesa do Japão © AP Photo/ Eugene Hoshiko

"O ministro Mattis aproveitou para destacar que os compromissos assumidos pelos EUA na defesa do Japão, incluindo a contensão ampliada, permanecem firmes", informou a assessoria de imprensa do Pentágono.

Além disso, no durante a conversa, os ministros discutiram a crise com a Coreia do Norte e manifestaram a prontidão para continuar o trabalho em formato trilateral com a Coreia do Sul pra o fortalecimento, a contensão e a manutenção da paz e da segurança na região.

Mais cedo nesta quarta-feira, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, discutiram as consequência do mais recente teste nuclear da Coreia do Norte.

Na terça-feira passada, 29 de agosto, a Coreia do Norte lançou um míssil balístico que, depois de sobrevoar o espaço aéreo japonês, caiu no Oceano Pacífico, cerca de 1.180 quilômetros ao leste da ilha japonesa de Hokkaido.

O ministro da Defesa do Japão, Itsunori Onodera, declarou depois do lançamento que o seu país poderia ter derrubado o míssil norte-coreano, mas não o fez porque não havia risco de queda no território japonês. A situação, no entanto, gerou dúvidas sobre a capacidade do sistema de defesa antimíssil do país.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas