Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Kim Jong-un: Após 'declaração de guerra feroz', Trump e os EUA pagarão caro

Em um raro pronunciamento, o líder norte-coreano Kim Jong-un disse nesta sexta-feira (horário local) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu povo "pagarão caro"pelas “palavras excêntricas” que pregaram a destruição da Coreia do Norte.
Sputnik

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que os EUA estão prontos para a "destruição total" da Coreia do Norte, caso isso se faça necessário.


Além disso, o presidente estadunidense chamou Kim de "Homem Foguete", pelo que considera uma "tática suicida" de provocações contra Washington e o resto dos seus aliados na Ásia.

"Agora estou pensando muito sobre a resposta que ele poderia ter esperado quando ele se permitiu que palavras tão excêntricas tropeçassem da sua língua", disse Kim, em declarações reproduzidas pela Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

"Qualquer coisa que Trump possa ter esperado, ele enfrentará resultados além de suas expectativas. Eu vou, …

Após tomar 'chapéu' de Pyongyang, Japão terá defesa antimísseis fortalecida pelos EUA

O secretário da Defesa dos EUA, James Mattis, declarou que os Estados Unidos estão cooperando com o Japão para ampliar as capacidades da sua defesa antimísseis.


Sputnik

Nesta quarta-feira o secretário manteve uma conversa telefônica com o ministro da defesa do Japão, Itsunori Onodera.


Forças de Autodefesa do Japão
Forças de Autodefesa do Japão © AP Photo/ Eugene Hoshiko

"O ministro Mattis aproveitou para destacar que os compromissos assumidos pelos EUA na defesa do Japão, incluindo a contensão ampliada, permanecem firmes", informou a assessoria de imprensa do Pentágono.

Além disso, no durante a conversa, os ministros discutiram a crise com a Coreia do Norte e manifestaram a prontidão para continuar o trabalho em formato trilateral com a Coreia do Sul pra o fortalecimento, a contensão e a manutenção da paz e da segurança na região.

Mais cedo nesta quarta-feira, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, discutiram as consequência do mais recente teste nuclear da Coreia do Norte.

Na terça-feira passada, 29 de agosto, a Coreia do Norte lançou um míssil balístico que, depois de sobrevoar o espaço aéreo japonês, caiu no Oceano Pacífico, cerca de 1.180 quilômetros ao leste da ilha japonesa de Hokkaido.

O ministro da Defesa do Japão, Itsunori Onodera, declarou depois do lançamento que o seu país poderia ter derrubado o míssil norte-coreano, mas não o fez porque não havia risco de queda no território japonês. A situação, no entanto, gerou dúvidas sobre a capacidade do sistema de defesa antimíssil do país.


Postar um comentário