Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Bagdá anuncia que irá tomar postos de fronteira no Curdistão com ajuda de Irã e Turquia

O Ministério da Defesa do Iraque informou que está planejando tomar o controle de postos de fronteira localizados no Curdistão em coordenação com forças da Turquia e do Irã, conforme relatou a agência Reuters.


Sputnik

Mais cedo, Bagdá havia dito que três comboios militares seriam enviados para o Curdistão, região que realizou um referendo de independência com amplo apelo popular nesta semana. 


Combatentes curdos iraquianos Peshmerga em cerimônia de graduação de treinamento em Arbil, capital da Região Autônoma do Curdistão, no norte do Iraque.
Curdos iraquianos Peshmergas © AFP 2017/ Safin Hamed

Apesar das exigências do poder central, o governo curdo se recusa a atender as exigências da capital, que inclui a transferência do controle de fronteiras.

Irã e Turquia, países com grandes populações curdas, estão entre os maiores preocupados com as possíveis consequências da criação de um Estado curdo no Oriente Médio, se colocando totalmente contra o referendo, que, na verdade, só não foi condenado pelo Estado de Israel.


Postar um comentário