Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como funcionam os mísseis de micro-ondas que os EUA podem usar em caso de ataque da Coreia do Norte

Nos arredores da cidade de Albuquerque, no Estado do Novo México, uma equipe de especialistas da Força Aérea americana desenvolve uma arma pouco tradicional, mas que poderia ter um objetivo estratégico: deter os mísseis nucleares da Coreia do Norte.
Lioman Lima | BBC Mundo

Não é um armamento qualquer. Trata-se de um tipo de arma eletromagnética que não é nociva para o ser humano e cuja base de funcionamento é a mesma tecnologia de um forno micro-ondas.


E, segundo diversos especialistas em assuntos militares consultados pela BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, poderia ser uma alternativa para desativar as armas nucleares de Pyongyang de forma efetiva, sem gerar grandes prejuízos.

O "Projeto de mísseis avançados de micro-ondas de alta potência de interferência eletrônica" (Champ, na sigla em inglês) prepara, em essência, projéteis que emitem ondas de altíssima frequência, capazes de fritar sistemas eletrônicos.

"Tendo em conta o estado da tecnologia no mundo moderno, em q…

Bagdá anuncia que irá tomar postos de fronteira no Curdistão com ajuda de Irã e Turquia

O Ministério da Defesa do Iraque informou que está planejando tomar o controle de postos de fronteira localizados no Curdistão em coordenação com forças da Turquia e do Irã, conforme relatou a agência Reuters.


Sputnik

Mais cedo, Bagdá havia dito que três comboios militares seriam enviados para o Curdistão, região que realizou um referendo de independência com amplo apelo popular nesta semana. 


Combatentes curdos iraquianos Peshmerga em cerimônia de graduação de treinamento em Arbil, capital da Região Autônoma do Curdistão, no norte do Iraque.
Curdos iraquianos Peshmergas © AFP 2017/ Safin Hamed

Apesar das exigências do poder central, o governo curdo se recusa a atender as exigências da capital, que inclui a transferência do controle de fronteiras.

Irã e Turquia, países com grandes populações curdas, estão entre os maiores preocupados com as possíveis consequências da criação de um Estado curdo no Oriente Médio, se colocando totalmente contra o referendo, que, na verdade, só não foi condenado pelo Estado de Israel.


Postar um comentário