Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

Coreia do Norte promete acelerar programa de armas nucleares após sanções

Governo norte-coreano afirmou que a ação de sanções é 'ilegal e maléfica'.


France Presse


A Coreia do Norte prometeu acelerar seus programas militares proibidos em resposta às "maléficas" sanções impostas pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) após o sexto teste nuclear do país.

Kim Jong-Un inspeciona suposta bomba de hidrogênio em foto divulgada no sábado (2)  (Foto: KCNA via REUTERS)
Kim Jong-Un inspeciona suposta bomba de hidrogênio em foto divulgada no sábado (2) (Foto: KCNA via REUTERS)

"A adoção de uma ilegal e maléfica nova 'resolução de sanções' impulsionadas pelos Estados Unidos constitui uma oportunidade para que a Coreia do Norte comprove que o caminho que escolheu é absolutamente correto", declarou a chancelaria norte-coreana em um comunicado publicado pela agência oficial KCNA.

A Coreia do Norte "redobrará esforços para incrementar seu poderio e proteger a soberania nacional e o direito a existir", acrescentou a chancelaria.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou na segunda-feira (11), por unanimidade, novas sanções que proíbem as exportações têxteis da Coreia do Norte e restringem seu abastecimento em petróleo e gás.

A chancelaria norte-coreana rejeitou a resolução, classificando-a de "odiosa provocação destinada a privar a Coreia do Norte de seu legítimo direito à autodefesa e a sufocar seu Estado e seu povo através de um bloqueio econômico de grande envergadura".

A ONU aprovou a resolução impulsionada pelos Estados Unidos e apoiada por China e Rússia um mês depois de adotar outra, que vetava as exportações norte-coreanas de carvão, ferro e mariscos, depois do lançamento - em meados de agosto - de um míssil de médio alcance que sobrevoou o Japão.

Alguns especialistas expressaram ceticismo a respeito do alcance do texto e destacaram que as sanções anteriores não impediram o grande avanço dos programas nuclear e balístico de Pyongyang.

Depois de testar dois mísseis intercontinentais em julho, a Coreia do Norte realizou em 3 de setembro o sexto teste nuclear, o mais importante até o momento. Pyongyang afirmou que usou uma bomba H suficientemente pequena para ser instalada em um míssil.

O site especializado americano 38 North, ligado à Universidade Johns Hopkins, informou nesta quarta-feira que o último teste nuclear da Coreia do Norte teve, "aproximadamente", a potência de 250 quilotons, mais de 16 vezes a força da bomba que destruiu a cidade japonesa de Hiroshima, em 1945.

O teste foi realizado na semana passada e segundo Pyongyang trata-se de uma bomba de hidrogênio capaz de ser transportada por uma ogiva de míssil.

"Este grande poder explosivo é próximo ao limite atribuído pelo 38 North para o sítio de testes de Punggye-ri", acrescenta o site.

A Coreia do Sul estimou a potência do último teste em 50 quilotons e o Japão, em 160 quilotons.

Segundo 38 North, imagens de satélite de sexta-feira passada, cinco dias após o teste, revelam atividade nas entradas do túneis em Punggye-ri, incluindo caminhões estacionados e outros equipamentos.

"As obras podem estar mudando o propósito e a capacidade para novos testes nucleares subterrâneos".

Postar um comentário