Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Coreia do Norte rejeita novas sanções da ONU e ameaça Estados Unidos

Sanções aprovadas pelo Conselho de Segurança estabelecem proibição das exportações de produtos têxteis do país e limitam importações de petróleo.


G1


A Coreia do Norte rejeitou nesta terça-feira (12) uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que impôs sanções mais rígidas a Pyongyang, e disse que os Estados Unidos enfrentarão em breve "a maior dor" que já sentiram.

Kim Jong-Un, líder da Coreia do Norte (Foto: Reuters/KCNA)
Kim Jong-Un, líder da Coreia do Norte (Foto: Reuters/KCNA)

O embaixador norte-coreano, Han Tae Song, disse à Conferência de Desarmamento promovida pela ONU, em Genebra: "O regime de Washington disparou um confronto político, econômico e militar, está obcecado com o jogo selvagem de reverter o desenvolvimento de força nuclear pela Coreia do Norte, que já atingiu a fase de finalização".

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) impôs por unanimidade sanções contra a Coreia do Norte na segunda devido ao sexto e mais poderoso teste nuclear do país, em 3 de setembro, estabelecendo uma proibição às exportações de produtos têxteis do país e limitando as importações de petróleo.

Foi a nona resolução de sanções aprovada por unanimidade pelo conselho de 15 membros desde 2006 sobre os programas de mísseis balísticos e nuclear da Coreia do Norte. Os Estados Unidos atenuaram um primeiro esboço de resolução mais rígido para ganhar o apoio de China e Rússia, aliadas de Pyongyang.

"Minha esperança é que o regime ouvirá a mensagem em alto e bom som e escolherá um caminho diferente", disse o embaixador de desarmamento dos Estados Unidos, Robert Woods, no fórum em Genebra, nesta terça.

Ameaças

No domingo (10), o governo norte-coreano divulgou um comunicado com novas ameaças aos Estados Unidos, justamente porque Washington havia pedido que a votação de novas sanções fosse realizada na segunda.

Em texto reproduzido pela agência oficial KCNA, o ministério norte-coreano das Relações Exteriores advertia que se Washington "aplicar esta resolução ilegal sobre um endurecimento das sanções, a Coreia do Norte garantirá que os Estados Unidos paguem o preço".

"As medidas que adotarão vão causar aos Estados Unidos o maior dos sofrimentos e dores de toda a sua história".

"O mundo será testemunha de como a Coreia do Norte dobra os gângsteres americanos lançando uma série de ações mais duras do que se possa imaginar".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas