Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Departamento de Estado nega envolvimento dos EUA na morte de general russo na Síria

Os Estados Unidos não apoiam terroristas e não estão ligados à morte do general russo na Síria, disse à Sputnik um representante do Departamento de Estado norte-americano.


Sputnik

"As afirmações de que os EUA apoiam o Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia] ou que favoreceram para morte do comandante russo não são baseadas em fatos. Os EUA e a coalizão têm um único objetivo: derrubar o Daesh", disse o representante norte-americano.


Tenente-general russo, Valery Asapov (foto de arquivo)
Tenente-general russo Valery Asapov © Sputnik/ Sergei Krasnoukhov

Segundo ele, Washington continuará utilizando o mecanismo para evitar conflitos com a Rússia. O representante norte-americano também sublinhou que os comentários de altos funcionários russos "não correspondem à verdade, nem ajudam a resolver o assunto".

Na semana passada, como resultado do bombardeio de terroristas perto de Deir ez-Zor, morreu o tenente-general russo, Valery Asapov, que liderava o grupo de conselheiros militares russos. Mais tarde, o vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, afirmou que a morte de Asapov é o preço pago pela Rússia devido à posição dupla dos EUA em relação à regularização da crise na região.

A chancelaria russa disse que, embora Washington afirme estar interessada em liquidar o Daesh, suas ações indicam o contrário. Nomeadamente, na semana passada, o Ministério da Defesa russo publicou fotos aéreas de zonas perto de Deir ez-Zor, controladas pelos terroristas. Nas fotos há veículos blindados norte-americanos que estão em serviço das forças especiais dos EUA.

Segundo o ministério, as forças especiais dos EUA estão deslocadas em pontos de apoio que anteriormente foram equipados pelos terroristas. É de notar que ao redor das instalações não há vestígio algum de ataque, tampouco de confrontos com os terroristas ou crateras provocadas por ataques aéreos realizados pela coalizão internacional liderada pelos EUA.

Por sua vez, Moscou apelou aos EUA para que provem na prática seu compromisso de combater o terrorismo na Síria.


Postar um comentário