Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Departamento de Estado nega envolvimento dos EUA na morte de general russo na Síria

Os Estados Unidos não apoiam terroristas e não estão ligados à morte do general russo na Síria, disse à Sputnik um representante do Departamento de Estado norte-americano.


Sputnik

"As afirmações de que os EUA apoiam o Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia] ou que favoreceram para morte do comandante russo não são baseadas em fatos. Os EUA e a coalizão têm um único objetivo: derrubar o Daesh", disse o representante norte-americano.


Tenente-general russo, Valery Asapov (foto de arquivo)
Tenente-general russo Valery Asapov © Sputnik/ Sergei Krasnoukhov

Segundo ele, Washington continuará utilizando o mecanismo para evitar conflitos com a Rússia. O representante norte-americano também sublinhou que os comentários de altos funcionários russos "não correspondem à verdade, nem ajudam a resolver o assunto".

Na semana passada, como resultado do bombardeio de terroristas perto de Deir ez-Zor, morreu o tenente-general russo, Valery Asapov, que liderava o grupo de conselheiros militares russos. Mais tarde, o vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, afirmou que a morte de Asapov é o preço pago pela Rússia devido à posição dupla dos EUA em relação à regularização da crise na região.

A chancelaria russa disse que, embora Washington afirme estar interessada em liquidar o Daesh, suas ações indicam o contrário. Nomeadamente, na semana passada, o Ministério da Defesa russo publicou fotos aéreas de zonas perto de Deir ez-Zor, controladas pelos terroristas. Nas fotos há veículos blindados norte-americanos que estão em serviço das forças especiais dos EUA.

Segundo o ministério, as forças especiais dos EUA estão deslocadas em pontos de apoio que anteriormente foram equipados pelos terroristas. É de notar que ao redor das instalações não há vestígio algum de ataque, tampouco de confrontos com os terroristas ou crateras provocadas por ataques aéreos realizados pela coalizão internacional liderada pelos EUA.

Por sua vez, Moscou apelou aos EUA para que provem na prática seu compromisso de combater o terrorismo na Síria.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas