Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Donetsk acusa Ucrânia de usar drones equipados com munições de fragmentação

Comando operacional da república autoproclamada de Donetsk denunciou o aumento de casos de uso de drones equipados com munições de fragmentação pelos militares ucranianos.


Sputnik

"Ultimamente se tornou mais ativo o uso de drones, inclusive caseiros. Estes aparelhos, contudo, podem ser equipados com granadas de fragmentação ou com munições HEAT antitanque. Já foi detectado o uso de dois aparelhos deste tipo", declarou o vice-chefe do comando operacional de Donetsk Eduard Basurin.


Combatentes da República Popular de Donetsk
Combatentes da República Popular de Donetsk © Sputnik/ Dan Levy

Ele acrescentou que a eliminação dos drones por meios de defesa antiaérea foi acompanhada por uma detonação adicional das substâncias explosivas.

As autoridades da Ucrânia iniciaram em abril de 2014 uma operação militar contra as repúblicas autoproclamadas de Lugansk e Donetsk, que declararam sua independência da Ucrânia em fevereiro de 2014. De acordo com os últimos dados da ONU, mais de 10 mil pessoas já tombaram vítimas do conflito.

A questão da regulação da situação em Donbass é discutida durante as reuniões do grupo de contato em Minsk, que já aprovou três documentos que regulam os passos para a desescalada do conflito. Mas os combates entre as partes em confronto ainda continuam.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas