Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Em meio à crise dos Rohingya, Israel fornece armas a Mianmar

Segundo a agência de notícias Middle East Eye, Israel está pondo lenha na fogueira com a venda de armamento ao governo de Mianmar, o que dificulta e muito a crise enfrentada pelo país. A informação foi divulgada justamente no momento em que o conflito está ganhando força.


Sputnik

Segundo a agência de notícias Middle East Eye, Israel está pondo lenha na fogueira com a venda de armamento ao governo de Mianmar, o que dificulta e muito a crise enfrentada pelo país. A informação foi divulgada justamente no momento em que o conflito está ganhando força. 


Muçulmanos de origem rohingya (foto de arquivo)
Muçulmanos de origem rohingya (foto de arquivo) © REUTERS/ SIMON LEWIS

De acordo com grupos de direitos humanos e autoridades de Mianmar, Israel forneceu mais de 100 tanques, barcos a motor e muitas usadas, que são usados pelos militares de Mianmar contra os muçulmanos Rohingya.

O jornal israelense Haaretz informou que, nesta quarta-feira (6), as negociações de armas entre Tel Aviv e Yangon estão em marcha a todo o vapor, apesar dos embargos da ONU e da UE sobre a venda de armas ao país.

Enquanto isso, o Supremo Tribunal de Justiça de Israel se prepara para considerar uma petição de ativistas que pedem ao governo para impedir qualquer exportação de armas para Mianmar.

A petição foi enviada em janeiro, depois de a delegação das autoridades israelenses terem visitado Yangon para negociar o fornecimento das mesmas ao país em crise.

Porém, Israel não é o único país a fornecer armas para Mianmar.

"No ano passado, o governo do Reino Unido gastou mais de 300.000 libras (R$ 1,2 milhão) dos impostos dos contribuintes para treinar os militares de Mianmar, cujo comandante-chefe, general Min Aung Hlaing, foi bem recebido pelos chefes militares da UE para firma a venda de armas e treinamento", afirmou Penny Green, diretor da Iniciativa Internacional de o Crime de Estado, da Universidade londrina de Queen Mary, citado pelo portal de notícias on-line The Middle East Eye.

Nesta terça-feira (5), o secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou para que Mianmar suspenda as supressões violentas contra muçulmanos de origem Rohingya, sendo que mais de 120 mil pessoas desta descendência foram forçadas a fugir para o país vizinho, Bangladesh.

O conflito em Mianmar que ganhou seu segundo fôlego em agosto de 2017, na verdade é uma crise bastante longa: o conflito antigo entre budistas e muçulmanos do país tem sua origem no século XIX.

O último conflito entre os budistas de Mianmar e os muçulmanos Rohingya, que foram amplamente vistos em Mianmar como recém-chegados e proscritos, entrou em erupção no estado de Rakhine em agosto e provocou uma onda de protestos em todo o mundo devido ao uso desproporcional da força pelo governo do país.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas