Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Especialista explica por que EUA não iniciarão guerra contra Coreia do Norte

A professora do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Miami, June Teufel Dreyer, nomeou à Sputnik os cinco motivos por que os EUA não iniciarão ações militares contra a Coreia do Norte, mesmo depois dos últimos testes e ameaças por parte de Pyongyang.


Sputnik

De acordo com Dreyer, um fator importante é as forças do exército norte-americano estarem sobrecarregadas mesmo sem haver uma guerra com a Coreia do Norte. "As forças dos EUA já estão no limite das suas capacidades", afirmou a especialista. Em particular, ela frisou que a redução da presença de tropas norte-americanas no Afeganistão e no Oriente Médio vai causar consequências graves nesses locais.


Soldado do exército dos EUA com binóculo
Militar norte-americano © flickr.com/ Justin Connaher

Além disso, Dreyer acredita que, para se decidir iniciar ações militares contra a Coreia do Norte, é preciso levar em conta a questão dos recursos financeiros. Ela recordou que para lidar com as consequências do furacão Harvey os EUA precisam despender uma some enorme.

Segundo a professora, os EUA não iniciarão uma guerra contra a Coreia do Norte também devido à reação de outros países, que podem considerar os EUA como a parte agressora.

Dreyer frisou que, além do mais, a posição da China quanto à questão da Coreia do Norte não está completamente clara. "Não podemos avaliar com certeza o que pode fazer a China para proteger a Coreia do Norte", disse ela.

Em conclusão, a especialista ressaltou que "a matança em massa que acontecerá logo que a Coreia do Norte ataque a populosa Seul e seus arredores" não permitirá a Washington iniciar ações militares contra Pyongyang.

A situação em torno da Península da Coreia se agravou desde a troca de afirmações duras entre a Coreia do Norte e os EUA. A Coreia do Norte prometeu lançar seus mísseis balísticos em direção à ilha de Guam, onde estão situadas bases militares norte-americanas. O presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu ao líder norte-coreano, Kim Jong-un, responder com "fogo e fúria" caso a Coreia do Norte faça algo com Guam.

Em 3 de setembro, as autoridades da Coreia do Norte anunciaram ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio projetada para ser instalada em mísseis balísticos intercontinentais. A ordem para realizar o teste foi dada pelo líder norte-coreano, Kim Jong-un. Para o Ministério da Defesa do Japão, a potência da carga testada pela Coreia do Norte atingiu 70 quilotons, ou seja, era muito mais poderosa do que as bombas atômicas que devastaram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945.

Anteriormente, a Rússia e a China apresentaram a ideia de um congelamento duplo: o cancelamento de treinamentos dos aliados dos EUA em troca da suspensão de testes nucleares e de mísseis por parte de Pyongyang.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas