Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Especialista explica por que manobras Zapad 2017 causam pânico na Europa

As manobras russo-bielorrussas Zapad 2017 causaram pânico entre a mídia e os especialistas ocidentais. As manobras se tornaram uma espécie de símbolo do alto grau de confronto na região, disse o cientista político russo Aleksandr Guschin.


Sputnik

O especialista explica em um artigo para o portal russo Politikom que a grande atenção que os exercícios Zapad 2017 estão recebendo é compreensível porque é a primeira vez que tais manobras são realizadas em um momento de tão grande tensão entre a Rússia e os países ocidentais. 


Manobras Zapad 2017
Manobras Zapad 2017 © Sputnik/ Igor Zarembo

As manobras russo-bielorrussas são realizadas a cada quatro anos. As duas primeiras ocorreram em setembro de 2009 e em 2013.

Os preparativos para as manobras Zapad 2017 causaram preocupações especialmente na Polônia e nos países Bálticos. A mídia destes países afirmou que o contingente militar russo que participa dos exercícios ficará depois de forma permanente no território da Bielorrússia.

Mais do que isso, esses países acusam a Rússia de preparar o terreno para a eliminação do chamado corredor de Suwalki, uma área na fronteira entre a Lituânia e a Polônia, que separa a Bielorrússia da região russa de Kaliningrado.

Para além disso, de acordo com os ucranianos, os exercícios poderiam ser usados para provocar uma escalada da tensão na fronteira entre a Bielorrússia e a Ucrânia.

Segundo Guschin, os medos quanto ao corredor de Suwalki podem se tornar realidade em um cenário de guerra. Nesse caso, esse território se tornaria estrategicamente importante e um possível desbloqueio do contingente militar russo em Kaliningrado teria que ser realizado.

"No entanto, no momento, felizmente, apesar da complexidade da situação, não há escalação a tal nível. As manobras não ameaçam de modo algum a integridade territorial da Polônia e da Lituânia", explicou o especialista.

Quanto à hipótese de as tropas russas poderem ficar indefinidamente no território da Bielorrússia, Guschin sublinhou que os exercícios envolvem um número muito limitado de tropas russas. Além disso, qualquer decisão desse tipo deve ser acordada com os líderes bielorrussos e, dada a política de equilíbrio que Minsk pratica, isso parece improvável.

O especialista diz que o Zapad 2017 não trará nenhuma mudança na situação geopolítica da região e, ao contrário, é um sinal de que a Rússia não busca nenhuma escalada, estando apenas pronta para se defender.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas