Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Rússia: EUA provocaram combates em Idlib para impedir o avanço sírio em Deir ez-Zor

Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib, informou o ministério da Defesa da Rússia nesta quarta-feira.
Sputnik

Segundo o ministério russo, a ofensiva terrorista foi uma manobra dos serviços de inteligência dos EUA para impedir o avanço das tropas sírias em Deir ez-Zor.


Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib.

"Apesar dos acordos assinados no dia 15 de setembro em Astana, os combatentes da Frente al-Nusra e seus aliados, que se negaram a cumprir as condições do regime de cessar-fogo, iniciaram uma ampla ofensiva contra as tropas governamentais, a partir das 8hs da manhã do dia 19 de setembro, ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib", informa o comunicado.

Durante o dia, os terroristas conseguira…

Especialista explica por que manobras Zapad 2017 causam pânico na Europa

As manobras russo-bielorrussas Zapad 2017 causaram pânico entre a mídia e os especialistas ocidentais. As manobras se tornaram uma espécie de símbolo do alto grau de confronto na região, disse o cientista político russo Aleksandr Guschin.


Sputnik

O especialista explica em um artigo para o portal russo Politikom que a grande atenção que os exercícios Zapad 2017 estão recebendo é compreensível porque é a primeira vez que tais manobras são realizadas em um momento de tão grande tensão entre a Rússia e os países ocidentais. 


Manobras Zapad 2017
Manobras Zapad 2017 © Sputnik/ Igor Zarembo

As manobras russo-bielorrussas são realizadas a cada quatro anos. As duas primeiras ocorreram em setembro de 2009 e em 2013.

Os preparativos para as manobras Zapad 2017 causaram preocupações especialmente na Polônia e nos países Bálticos. A mídia destes países afirmou que o contingente militar russo que participa dos exercícios ficará depois de forma permanente no território da Bielorrússia.

Mais do que isso, esses países acusam a Rússia de preparar o terreno para a eliminação do chamado corredor de Suwalki, uma área na fronteira entre a Lituânia e a Polônia, que separa a Bielorrússia da região russa de Kaliningrado.

Para além disso, de acordo com os ucranianos, os exercícios poderiam ser usados para provocar uma escalada da tensão na fronteira entre a Bielorrússia e a Ucrânia.

Segundo Guschin, os medos quanto ao corredor de Suwalki podem se tornar realidade em um cenário de guerra. Nesse caso, esse território se tornaria estrategicamente importante e um possível desbloqueio do contingente militar russo em Kaliningrado teria que ser realizado.

"No entanto, no momento, felizmente, apesar da complexidade da situação, não há escalação a tal nível. As manobras não ameaçam de modo algum a integridade territorial da Polônia e da Lituânia", explicou o especialista.

Quanto à hipótese de as tropas russas poderem ficar indefinidamente no território da Bielorrússia, Guschin sublinhou que os exercícios envolvem um número muito limitado de tropas russas. Além disso, qualquer decisão desse tipo deve ser acordada com os líderes bielorrussos e, dada a política de equilíbrio que Minsk pratica, isso parece improvável.

O especialista diz que o Zapad 2017 não trará nenhuma mudança na situação geopolítica da região e, ao contrário, é um sinal de que a Rússia não busca nenhuma escalada, estando apenas pronta para se defender.


Postar um comentário