Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Especialista: Kalibr russos reduziram fortificações terroristas na Síria a cinzas (VÍDEOS)

Os mísseis de cruzeiro Kalibr, lançados da fragata russa Admiral Essen, atacaram posições do Daesh perto de Deir ez-Zor. Em relação ao ataque certeiro dos mísseis russos, para o especialista militar Viktor Litovkin não é novidade, já que os Kalibr vêm comprovando sua eficiência desde o primeiro ataque contra terroristas ainda em 2015.


Sputnik


Segundo informou o Ministério da Defesa da Rússia, na manhã do dia 5 de setembro, a fragata Admiral Essen da Frota do Mar Negro da Rússia, que está cumprindo missões no mar Mediterrâneo, disparou mísseis de cruzeiro Kalibr contra alvos do grupo terrorista Deash perto da cidade síria de Deir ez-Zor.


Fragata Admiral Essen dispara mísseis de cruzeiro Kalibr contra instalações do Daesh na Síria
Fragata russa Admiral Essen dispara míssil Kalibr © Sputnik/ Ministério da Defesa da Rússia

Além disso, destaca-se que os lançamentos de mísseis de cruzeiro Kalibr foram realizados contra alvos terroristas identificados através de "vários canais".

Ao mesmo tempo, o exército sírio continua conduzindo operação militar para destruir posições do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em muitos outros países) e eliminar os combatentes da organização em questão.

Os mísseis Kalibr podem destruir alvos a 2.600 km de distância, superando qualquer sistema de defesa antiaérea ou antimíssil.

O especialista militar, Viktor Litovkin, comentou ao serviço russo da Rádio Sputnik as capacidades desses mísseis russos, lembrando que desde seu primeiro lançamento contra posições terroristas, realizado em 2015, essa arma russa comprova sua eficiência no campo de batalha.

"Todos os mísseis atingiram o alvo, causando danos irreparáveis ao Daesh. Além disso, sobrevoaram o território do Irã e do Iraque. Nenhum deles saiu da trajetória planejada", declarou o especialista.

"Mais um exemplo de como funcionam nossos mísseis de cruzeiro — é o ataque contra os pontos fortificados nos arredores da cidade síria de Deir ez-Zor, onde todas as fortificações dos terroristas do Daesh foram reduzidas a cinzas, e onde, segundo dados fornecidos, havia pessoas da Rússia e da Comunidade dos Estados Independentes", indicou.

Na opinião de Litovsky, os mísseis de cruzeiro Kalibr superam significativamente os mísseis norte-americanos Tomahawk.

"Acredito que os mísseis Kalibr em comparação aos Tomahawk, que foram disparados pelos estadunidenses durante o ataque contra a base aérea de Shayrat na Síria, são mais eficazes."

Para provar seu ponto de vista, o especialista ressalta que "dos 59 mísseis lançados naquele dia pelos EUA, menos da metade atingiu seu alvo. Além disso, ninguém sabe para onde foram os outros mísseis".

Ao mesmo tempo, "nossos mísseis alcançaram todos os alvos. Por isso sua eficiência é comprovada na prática. Todo mundo sabe que a Rússia possui mísseis de longo alcance e de alta precisão", destacou.




Postar um comentário