Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

EUA: general diz que Coreia do Norte tem capacidade de atacar e pede atenção com a Rússia

O chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, general Joseph Dunford, disse nesta terça-feira, em testemunho perante um comitê do Congresso dos EUA, que o país deve assumir que a Coreia do Norte tem um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês) capaz de atingir o território estadunidense.


Sputnik

"Eu acho que, para todos os fins de planejamento, desenvolvimento de capacidades, devemos assumir agora que a Coreia do Norte tem essa capacidade", afirmou Dunford.


Imagem do Hwasong-14, míssil que a Coreia do Norte afirma ser de longo alcance (intercontinental), em teste realizado em 4 de julho de 2017
Míssil de longo alcance Hwasong-14 da Coreia do Norte © REUTERS/ KCNA/via REUTERS

Dunford disse que pode haver aspectos de engenharia que ainda precisam de trabalho, mas isso não deve impedir os funcionários de acreditar que a Coreia do Norte tem a capacidade e a vontade de atacar os Estados Unidos com um míssil.

“Se serão três meses, ou seis meses ou 18 meses, será em breve e devemos nos comportar como se fosse uma questão de tempo antes de a Coreia do Norte ter essa capacidade”, insistiu o general.

Dunford ainda comentou que não se notou qualquer mudança de postura de Pyongyang, mesmo diante da recente escalada de acusações e agressões verbais de lado a lado.

"Embora o espaço político esteja claramente muito carregado neste momento, não vimos uma mudança na postura das forças norte-coreanas e observamos isso de perto […]. O que não vimos é atividade militar que refletiria o ambiente político carregado", comentou.

A situação na Península da Coreia se agravou devido aos recentes lançamentos de mísseis de Pyongyang e a testes nucleares, todos conduzidos em violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

O teste mais recente foi realizado no dia 15 de setembro, quando a Coreia do Norte lançou um míssil balístico que voou sobre o Japão antes de cair no Pacífico Norte, cerca de 20 minutos após o lançamento.

Ameaça russa

A capacidade militar de cruzeiro da Rússia, conforme demonstrada no conflito sírio, sublinha a necessidade de os Estados Unidos aumentarem as suas defesas contra essa ameaça, e uma revisão iminente identificará o que precisa ser feito em resposta, disse Dunford na mesma audiência.

"Os investimentos russos e a capacidade demonstrada de mísseis de cruzeiro no conflito sírio destacam a necessidade de os Estados Unidos e a OTAN aumentar as defesas contra a ameaça de mísseis de cruzeiro", disse Dunford.

O principal general dos EUA continuou dizendo que, com base nas recomendações da Revisão da Defesa dos Mísseis Balísticos dos EUA para a defesa de mísseis regionais, "trabalhamos com nossos aliados da OTAN para determinar as defesas necessárias para enfrentar os sistemas de ameaças da Rússia na Europa".


Postar um comentário