Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

EUA: general diz que Coreia do Norte tem capacidade de atacar e pede atenção com a Rússia

O chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, general Joseph Dunford, disse nesta terça-feira, em testemunho perante um comitê do Congresso dos EUA, que o país deve assumir que a Coreia do Norte tem um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês) capaz de atingir o território estadunidense.


Sputnik

"Eu acho que, para todos os fins de planejamento, desenvolvimento de capacidades, devemos assumir agora que a Coreia do Norte tem essa capacidade", afirmou Dunford.


Imagem do Hwasong-14, míssil que a Coreia do Norte afirma ser de longo alcance (intercontinental), em teste realizado em 4 de julho de 2017
Míssil de longo alcance Hwasong-14 da Coreia do Norte © REUTERS/ KCNA/via REUTERS

Dunford disse que pode haver aspectos de engenharia que ainda precisam de trabalho, mas isso não deve impedir os funcionários de acreditar que a Coreia do Norte tem a capacidade e a vontade de atacar os Estados Unidos com um míssil.

“Se serão três meses, ou seis meses ou 18 meses, será em breve e devemos nos comportar como se fosse uma questão de tempo antes de a Coreia do Norte ter essa capacidade”, insistiu o general.

Dunford ainda comentou que não se notou qualquer mudança de postura de Pyongyang, mesmo diante da recente escalada de acusações e agressões verbais de lado a lado.

"Embora o espaço político esteja claramente muito carregado neste momento, não vimos uma mudança na postura das forças norte-coreanas e observamos isso de perto […]. O que não vimos é atividade militar que refletiria o ambiente político carregado", comentou.

A situação na Península da Coreia se agravou devido aos recentes lançamentos de mísseis de Pyongyang e a testes nucleares, todos conduzidos em violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

O teste mais recente foi realizado no dia 15 de setembro, quando a Coreia do Norte lançou um míssil balístico que voou sobre o Japão antes de cair no Pacífico Norte, cerca de 20 minutos após o lançamento.

Ameaça russa

A capacidade militar de cruzeiro da Rússia, conforme demonstrada no conflito sírio, sublinha a necessidade de os Estados Unidos aumentarem as suas defesas contra essa ameaça, e uma revisão iminente identificará o que precisa ser feito em resposta, disse Dunford na mesma audiência.

"Os investimentos russos e a capacidade demonstrada de mísseis de cruzeiro no conflito sírio destacam a necessidade de os Estados Unidos e a OTAN aumentar as defesas contra a ameaça de mísseis de cruzeiro", disse Dunford.

O principal general dos EUA continuou dizendo que, com base nas recomendações da Revisão da Defesa dos Mísseis Balísticos dos EUA para a defesa de mísseis regionais, "trabalhamos com nossos aliados da OTAN para determinar as defesas necessárias para enfrentar os sistemas de ameaças da Rússia na Europa".


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas