Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

EUA vai derrubar qualquer míssil norte-coreano lançado contra Guam (VÍDEO)

O Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmou que Washington vai derrubar qualquer míssil da Coreia do Norte que possa vir a sobrevoar o território de Guam, ilha com bases estadunidenses no Oceano Pacífico.


Sputnik

"Se um míssil dirigisse-se a Guam ou voasse sobre [a ilha], nós teríamos derrubado", disse a secretária de Estado adjunta, Susan Thornton, em um encontro com jornalistas estrangeiros.


Teste de míssil norte-coreano Hwasong-12
Míssil norte-coreano Hwasong-12 © REUTERS/ KCNA

Repórteres perguntaram a Thornton por que os EUA não respondem da mesma forma aos lançamentos de mísseis da Coreia do Norte que violam o espaço aéreo e aliados - Japão e Coreia do Sul.

Na sua resposta, Thornton lembrou que esta questão foi previamente esclarecida pelo secretário de Defesa dos EUA, James Mattis.

Ela observou que agora é possível determinar exatamente onde o foguete voará e onde vai pousar. Segundo ela, no Japão existem sistemas de alerta especiais para a população civil.

"A questão de se aplicar ou não ações militares depende da situação específica", disse ela.

No início do dia, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, declarou que os Estados Unidos continuariam os esforços diplomáticos para resolver a crise da Coreia do Norte, mas não descartou opções militares.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou recentemente uma nova ordem executiva que ampliou as sanções contra Pyongyang, ameaçou "destruir totalmente a Coreia do Norte", se surgirem ameaças imediatas, e descreveu o líder norte-coreano Kim Jong-un como "Homem Foguete".

A Coreia do Norte anunciou rapidamente que pode realizar outro teste de bomba de hidrogênio no Pacífico. Kim acusou Trump de exibir "comportamento mentalmente perturbado" e ameaçou-o com uma resposta áspera.

Em agosto, Pyongyang declarou ter planos de lançar mísseis contra Guam, e fotos de Kim revisando os planos foram divulgadas pela imprensa norte-coreana. Contudo, tal planejamento foi cancelado, com a Coreia do Norte informando que descartaria a ideia por enquanto.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas