Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Fora do normal': OTAN teria usado armas climáticas para atingir êxito em operação militar

Uma das teorias de conspiração mais populares é a possível influência humana no clima com armas de tecnologia de última geração. Neste contexto, ganhou talvez o maior destaque o projeto HAARP dos EUA. Oficial da Força Aérea russa e meteorologista, Yevgeny Tishkovetz, contou para a Sputnik até que ponto os humanos podem mudar condições climáticas.
Sputnik

O HAARP (High Frequency Active Auroral Research Program, em inglês) é um projeto financiado pelas Forças Armadas dos EUA que visa estudar a ionosfera para aperfeiçoamento de suas capacidades de comunicação por rádio e dos sistemas de vigilância com ajuda de tecnologias de ponta.


Há uma teoria de que o sistema HAARP teria sido utilizado na operação militar da OTAN na Iugoslávia em 1999. Yevgeny Tishkovetz, meteorologista do centro Fobos e ex-chefe do serviço meteorológico do Ministério da Defesa russo, disse à Sputnik Sérvia que o sistema pode ter sido realmente usado na Iugoslávia.

Segundo o oficial, a Aliança não tinha como realizar seus…

Extremo Oriente russo tem plano próprio caso situação na Coreia do Norte se agrave

O governador da região de Primorie (Extremo Oriente da Rússia), Vladimir Miklushevsky, declarou que a região possui planos de segurança dos cidadãos em caso de agravamento da situação na Península da Coreia.


Sputnik

"Tais planos existem, mas eles são de caráter confidencial. São planos gerais para todas as ameaças – não só para as ameaças principais", comunicou Miklushevsky durante a coletiva de imprensa no Fórum Econômico Oriental (VEF), respondendo a uma questão sobre os planos de ação da região em caso de agravamento da situação na Coreia do Norte. 


Bandeira da Coreia do Norte na zona desmilitarizada
Zona desmilitarizada entre as coreias do norte e sul © AFP 2017/ SAUL LOEB

Em 3 de setembro Pyongyang anunciou ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio.

A comunidade internacional ficou dividida: o Japão, a Coreia do Sul e os EUA buscam respostas, inclusive militares; a Rússia e a China continuam assegurando que o diálogo é a única solução para a crise.


Postar um comentário