Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Extremo Oriente russo tem plano próprio caso situação na Coreia do Norte se agrave

O governador da região de Primorie (Extremo Oriente da Rússia), Vladimir Miklushevsky, declarou que a região possui planos de segurança dos cidadãos em caso de agravamento da situação na Península da Coreia.


Sputnik

"Tais planos existem, mas eles são de caráter confidencial. São planos gerais para todas as ameaças – não só para as ameaças principais", comunicou Miklushevsky durante a coletiva de imprensa no Fórum Econômico Oriental (VEF), respondendo a uma questão sobre os planos de ação da região em caso de agravamento da situação na Coreia do Norte. 


Bandeira da Coreia do Norte na zona desmilitarizada
Zona desmilitarizada entre as coreias do norte e sul © AFP 2017/ SAUL LOEB

Em 3 de setembro Pyongyang anunciou ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio.

A comunidade internacional ficou dividida: o Japão, a Coreia do Sul e os EUA buscam respostas, inclusive militares; a Rússia e a China continuam assegurando que o diálogo é a única solução para a crise.


Postar um comentário