Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Guerra contra Coreia do Norte custaria 20 mil vidas por dia, diz general dos EUA

A humanidade pagaria um preço muito alto se a Terceira Guerra Mundial tomasse corpo após um conflito militar com a Coreia do Norte, disse o general da Força Aérea dos Estados Unidos, Rob Givens, segundo o diário britânico Daily Star.


Sputnik

Citando previsões internas do Pentágono, o general (hoje na reserva) estimou as perdas humanas em 20 mil pessoas por dia, um número que ele admitiu que pode ser ainda maior, pois não inclui baixas dentro do país asiático, que abriga quase 28 milhões de pessoas.


Resultado de imagem para general da Força Aérea dos Estados Unidos, Rob Givens
Bombardeio B-1B Lancer e caças F-35 norte-americanos em formação com caças F-15 da Coreia do Sul

"Muitos americanos acreditam que isso [guerra com a Coreia do Norte] seria o mesmo que invadir o Iraque ou o Afeganistão ou como operações na Líbia ou na Síria, mas não parece isso nem remotamente", disse ele.

Para Givens, essa guerra só poderia terminar de uma maneira, e seria com a derrota de Pyongyang. "Mas a que custo?", questionou o general.

O militar, que passou quatro anos na Península da Coreia, disse que "na busca pela sobrevivência [os norte-coreanos] vão atacar os EUA" e apesar de "não ganharem, tentarão fazê-lo, garanto".

A previsão do general ocorre em meio às tensões entre Washington e Pyongyang atingirem um ápice histórico.

O ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, acusou na segunda-feira o presidente dos EUA, Donald Trump, de fazer uma "declaração de guerra", referindo-se à ameaça de Trump de "destruir totalmente" o país asiático em seu discurso da ONU.

Além disso, o ministro norte-coreano advertiu que Pyongyang tem a capacidade de derrubar os bombardeiros estratégicos dos EUA, mesmo que estejam fora do seu espaço aéreo.

As suas palavras vieram após a aproximação de aeronaves americanas para a fronteira norte-coreana na menor distância já registrada em quase duas décadas.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas