Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Integração de armas no Saab Gripen JAS 39C

A Saab divulgou essas fotos no Twitter, no dia 11 de setembro, do Gripen JAS 39C realizando campanha de ensaios em voo para integração de armas (weapons integration, test & eval).


Poder Aéreo

O caça Gripen C aparece equipado com bombas GBU guiadas a laser, bombas SBD – Small Diameter Bombs e mísseis ar-ar Iris-T, além de um pod de designação de alvos.


Gripen JAS 39C

As novas armas integram a última atualização de software versão 20 (MS20) do Gripen feita em 2016. A nova versão traz grandes mudanças, tanto em hardware quanto em software. A maior mudança é o míssil Meteor, já integrado.

A versão 20 também permite a integração da bomba de pequeno diâmetro (Small Diameter Bomb, SDB).

As SDB são armas de precisão para alvos terrestres que são lançadas da aeronave a uma grande distância “stand-off”. A SDB é carregada com os dados dos alvos antes do lançamento e, em seguida, orienta-se para o alvo.

A proteção CBRN (contra ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares) também foi reforçada na versão 20.

Outra inovação foi o sistema anticolisão contra o solo, que automaticamente impede a aeronave de se chocar com o solo, se ela entrar em uma situação descontrolada.


Postar um comentário