Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Israel ataca suposta fábrica de armas químicas na Síria

Segundo Exército sírio, aviões lançaram mísseis a partir do espaço aéreo libanês. ONG afirma que alvos foram instalação que produz arsenal químico e campo de armazenamento de foguetes usado por Irã e Hisbolá.


Deutsch Welle

O Exército sírio denunciou nesta quinta-feira (07/09) que aeronaves israelenses lançaram mísseis que atingiram uma infraestrutura militar localizada na província central síria de Hama, matando duas pessoas. Um grupo de monitoramento afirma que o alvo pode estar ligado à produção de armas químicas.


Israel Kampfjet der Luftwaffe (Getty Images/AFP/J. Guez)
Caça israelense F-35

A agência oficial síria de notícias Sana informou que o avião "inimigo" de Israel lançou "vários mísseis" a partir do espaço aéreo libanês contra uma posição militar perto de Masiaf, a sudoeste de Hama.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ONG sediada no Reino Unido que monitora a guerra síria, disse que o ataque foi contra uma instalação do Centro de Estudos Científicos e de Pesquisa, uma agência que os Estados Unidos classificam como fabricante de armas químicas da Síria.

O ataque ocorreu um dia após investigadores da ONU terem afirmado que o governo sírio foi responsável por um bombardeio em abril em que foi usado gás venenoso sarin. Mais de 80 pessoas morreram no ataque químico, realizado na cidade de Khan Cheikhoun. O governo da Síria nega o uso de armas químicas.

O Observatório disse que os ataques israelenses também atingiram um campo militar que era usado para armazenar foguetes terra-a-terra e onde militares do Irã e combatentes de seu aliado, o grupo xiita libanês Hisbolá, foram vistos mais de uma vez. Uma porta-voz do Exército israelense não quis se pronunciar sobre o ataque na Síria.


Postar um comentário