Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

'Limpeza étnica' faz 370.000 muçulmanos fugirem de Myanmar para Bangladesh em duas semanas

ONU exige que o Governo birmanês encerre operação contra o povo rohingya que já deixou 400 mortos


El País


A atual onda de violência no Estado birmanês de Rajine, iniciada em agosto, já levou 370.000 muçulmanos do povo rohingya a fugirem de Myanmar para o vizinho Bangladesh, segundo estimativas da Organização Internacional para as Migrações (OIM). O alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos denunciou que Myanmar está promovendo uma “limpeza étnica de manual”.

Refugiados rohingyas atravessam de barco de Myanmar para Bangladesh, nesta segunda-feira
Refugiados rohingyas atravessam de barco de Myanmar para Bangladesh, nesta segunda-feira | DANISH SIDDIQUI - REUTERS

O novo balanço da OIM representa um claro aumento com relação à estimativa anterior, de 313.000 rohingyas refugiados em Bangladesh desde 25 de agosto. “O sistema está claramente no máximo da sua capacidade e necessita todo o apoio possível”, afirmou nesta terça-feira o porta-voz da OIM, Leonard Doyle, em Genebra (Suíça). Ele evitou fazer um prognóstico sobre o aumento do fluxo de refugiados esperado pela organização.

"As estimativas foram claramente superadas em várias ocasiões", afirmou. "Sou relutante em dar uma cifra, mas obviamente as pessoas temem que possa ser muito maior", afirmou. Vivian Tan, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), também confirmou a cifra de 370.000 refugiados rohingyas chegados a Bangladesh.

A última onda de violência no Estado de Rajine começou em 25 de agosto, com uma série de ataques de milicianos rohingyas contra as forças de segurança e o Exército de Myanmar (antiga Birmânia). A contraofensiva militar birmanesa e os confrontos posteriores deixaram pelo menos 400 mortos e, desde aquele dia, o fluxo de civis rohingyas que fugiram para Bangladesh não parou de crescer, até superar nesta semana as 300.000 pessoas.

O alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Husein, denunciou nesta segunda-feira ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que está ocorrendo em Myanmar uma “limpeza étnica de manual” contra os rohingyas, e exigiu que o Governo birmanês ponha fim à operação militar em Rajine. O Conselho de Segurança da ONU deve se reunir nesta quarta-feira para discutir essa crise.

A China, por sua vez, declarou que apoia as autoridades birmanesas em seu esforço de “preservar a estabilidade de seu desenvolvimento nacional”, segundo um porta-voz da chancelaria em Pequim. A conselheira de Estado (primeira-ministra) de Myanmar, Aung San Suu Kyi, símbolo da defesa da democracia na Ásia e ganhadora do Nobel da Paz, recebeu críticas, entre elas do Dalai Lama, por sua inação.

Postar um comentário