Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Manobras da Rússia causam pânico na Polônia: medo real ou fria estratégia?

Depois do anúncio sobre os exercícios militares russo-bielorrussos Zapad 2017, os meios de comunicação poloneses, bem como os políticos do país, entraram em pânico e se alarmaram diante da ameaça à segurança, supostamente causada pelas manobras.


Sputnik

Segundo o porta-voz do partido polonês Zmiana (Mudança), Tomasz Jankowski, entrevistado pela Sputnik Polônia, Varsóvia tenta utilizar qualquer pretexto para acentuar a hostilidade da sociedade polonesa e europeia quanto aos russos e à política russa.


Caça bielorrusso MiG-29 durante os preparativos para as manobras Zapad 2017 russo-bielorrussas
Mig 29 no exercício militar Zapad 2017 © Sputnik/ Viktor Tolochko

Polônia tenta demostrar que não há maneira alguma de estabelecer boas relações entre a Rússia e a UE, indica o político.

Jankowski opina que, por trás da política antirrussa da Polônia, há um elemento de jogo entre Londres e Berlim ou entre Washington e Bruxelas.

"Os círculos de Bruxelas e Berlim, ou seja, a União Europeia e o país dominante, Alemanha, não apoiam o endurecimento da política com relação à Rússia. Entretanto, Londres e Washington, juntamente com Varsóvia, são falcões", explica.

Ao mesmo tempo, o político sublinha que os exercícios militares russo-bielorrussos não são novidade. A UE reconhece a legitimidade das manobras Zapad 2017.

"Para mim, bem como para qualquer pessoa que tenha interesse na questão militar, é óbvio que o exército de cada país necessita treinar e se exercitar. Não é preciso ser especialista para chegar a esta conclusão. As manobras são realizadas para que as forças sejam treinadas a agir em distintas situações", declara.

No fim de setembro, a Polônia sediará as manobras Dragon da OTAN, com a participação de 17.000 efetivos de 12 países, 53 tanques, 192 veículos blindados, 90 unidades de artilheira e lançadores de foguetes múltiplos e mais de 30 helicópteros.

"As elites políticas polonesas querem transformar seu país em um espinho para a Rússia, mas falta potencial para isso. Ao invés de aproveitar sua posição geográfica para desenvolver relações com a Rússia, a Polônia tenta fazer o jogo dos EUA para desarmar e mesmo destruir a Rússia de dentro", conclui.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas