Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Confira a arma secreta da China em uma eventual guerra contra os EUA

A evidência do emprego de minas marítimas na doutrina da guerra naval chinesa segue crescendo.
Sputnik

Nas fases finais da Guerra do Pacífico, os estrategistas americanos combinaram genialmente dois sistemas de armas, o revolucionário bombardeiro de longo alcance B-29 e as relativamente simples minas marítimas com explosivos magnéticos ou acústicos, causando um caos na economia e moral japoneses. O esforço para semear profusamente as águas japonesas com milhares de minas foi denominado de "Operação Fome" e esse esforço provou sua alta eficiência para pôr o Japão de joelhos. Contudo, a Marinha americana também foi vítima do emprego hábil da guerra de minas e esses casos são mais recentes.

O caso clássico provém da Guerra da Coreia, quando minas foram colocadas ao largo da Coreia do Norte, evitando que os estadunidenses realizassem uma invasão eficiente em Wonsan. Durante a Guerra do Golfo Pérsico, dois navios norte-americanos, o "Tripoli" e o "Princeton", for…

Manobras Zapad 2017 'assustam a Lituânia mais do que exige a situação'

O ministro da Defesa da Lituânia, Raimundas Karoblis, declarou que os exercícios militares estratégicos russo-bielorrussos Zapad 2017 assustam os cidadãos mais de que exige a situação, embora a ameaça real seja mínima.


Sputnik

Os exercícios estratégicos Zapad 2017 serão realizados entre os dias 14 e 20 de setembro no território da Bielorrússia, bem como em três polígonos russos. Segundo os dados do Ministério da Defesa da Rússia, até 12,7 mil militares devem participar das manobras.


Aviões Yak-130 da Força Aérea da Bielorrússia durante os preparativos para as manobras russo-bielorrussas Zapad 2017
Yak-130 da Força Aérea da Bielorrússia © Sputnik/ Viktor Tolochko

O vice-ministro da Defesa da Rússia, Aleksandr Fomin, já havia declarado em entrevistas anteriores que os exercícios são de caráter defensivo. Ele também negou os boatos que os exercícios fariam parte de preparativos para "ocupar" os Países Bálticos, a Polônia ou a Ucrânia.

"Parece que estamos assustados mais do que exige a situação", declarou na quinta-feira (14) o ministro lituano em entrevista à estação de rádio LRT.

Além disso, o ministro sublinhou que a ameaça à Lituânia proveniente dos exercícios é mínima. "Nossos serviços estão trabalhando, os especialistas sabem como controlar a situação, esperamos que as manobras decorram com calma."

De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, até o dia 30 de setembro todo o pessoal e material bélico das Forças Armadas da Rússia e Bielorrússia vão regressar para suas bases após participação dos exercícios.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas