Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Ministro norte-coreano diz que Trump está em 'missão suicida' e mísseis 'visitarão os EUA'

O ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, fez neste sábado um discurso bastante duro na Assembleia Geral da ONU, em Nova York, direcionando toda a sua artilharia verbal contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.


Sputnik

Logo no começo do seu discurso, Ri definiu Trump como uma "pessoa mentalmente perturbada cheia de megalomania", algo semelhante ao que disse o líder do país asiático, Kim Jong-un, no fim desta semana.


Chanceler norte-coreano Ri Yong-ho
Ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho© AP Photo/ Bullit Marquez

De acordo com o chanceler norte-coreano, as ameaças feitas por Trump na segunda-feira, de que poderia "destruir totalmente" a Coreia do Norte se necessário, apenas fizeram "a visita de nossos foguetes a todo o continente americano ainda mais inevitável".

Ri ainda chamou de "erro irreversível" o apelido dado pelo presidente dos EUA ao líder norte-coreano – Trump vem chamando Kim de "Homem Foguete"–, e destacou que quem está em uma "missão suicida" é o próprio republicano.

"Se vidas estadunidenses forem perdidas, Trump deve ser completamente responsabilizado", pontuou o ministro da Coreia do Norte, país que tradicionalmente faz discursos duros e ácidos contra os EUA em suas aparições na Assembleia Geral da ONU.

Com um discurso "imprudente e violento", Trump está "tentando transformar a ONU em um ninho de gângsters no qual o dinheiro é respeitado e o banho de sangue é a ordem do dia", continuou Ri.

O chanceler norte-coreano reforçou que Pyongyang está próxima de concluir o programa nuclear do país, e que o foco no momento é obter um "equilíbrio de forças" no âmbito militar com os EUA. Ainda segundo ele, apenas Washington e seus aliados devem se sentir ameaçados pelas armas nucleares do país asiáticos.

E, para não deixar dúvidas, Ri classificou como "esperança desesperada" a ideia de que sanções possam fazer a Coreia do Norte deixar de lado o seu programa nuclear.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas