Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Moscou: Ocidente dá forças à extrema-direita ao reduzir papel da URSS na II Guerra Mundial

A vontade de alguns Estados ocidentais de reduzir o papel da União Soviética na Segunda Guerra Mundial pode levar, em último caso, a um fortalecimento dos movimentos radicais da extrema-direita, segundo afirmou o chefe do Departamento de Cooperação Humanitária e Direitos Humanos da chancelaria russa, Anatoly Viktorov, nesta segunda-feira.


Sputnik

Durante participação no Encontro de Implementação da Dimensão Humana da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Varsóvia, Polônia, Viktorov destacou ter notado um crescimento no número de expressões nacionalistas e também neonazistas nos países da OSCE. 


Manifestantes neonazistas indo às ruas em Berlim para homenagear Rudolf Hess, aliado de Adolf Hitler
Neonazistas alemães em manifestação © REUTERS/ Christian Mang

"Os Estados Unidos, o Canadá e a União Europeia vão tão longe no seu desejo de minimizar a parte crucial da URSS na vitória [sobre o nazismo] na Segunda Guerra Mundial que eles fecham os olhos para esses casos flagrantes e brincam com forças extremamente radicais", disse o funcionário russo, citando a "guerra contra os monumentos" soviéticos, a reedição da história da Segunda Guerra e a glorificação de nazistas na Ucrânia como exemplos. Segundo ele, os inúmeros pedidos da Rússia para que essas ações sejam condenadas nunca são respondidos.

"Além disso, nossos colegas ocidentais, justificam cinicamente esses casos como liberdade de expressão e um tipo de direito à interpretação pessoal de eventos históricos", acrescentou.

Em julho deste ano, o presidente polonês, Andrzej Duda, assinou uma lei proibindo a propaganda comunista, ameaçando destruir centenas de estátuas da era soviética. Na Ucrânia, desde 2015, está em vigor um pacote de medidas de descomunização, que prevê a proibição a símbolos soviéticos, a demolição de monumentos e a mudança de nomes de lugares que homenageiam personalidades comunistas.


Postar um comentário