Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Analista: entrega de dados de Israel sobre abate de Il-20 significa muito para Rússia

O comandante da Força Aérea Israelense, Amikam Norkin, forneceu ao Ministério da Defesa da Rússia dados sobre o incidente com o avião russo Il-20 na Síria. Israel demonstra que não pretende perder a cooperação estabelecida com a Rússia, disse o analista político Stanislav Tarasov durante uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.
Sputnik

Além destas informações sobre o abate da aeronave, Israel também avisou sobre "as tentativas do Irã de fortalecer sua posição na Síria e entregar armas estratégicas ao Hezbollah". Os militares observaram que é necessário continuar coordenando as ações na Síria, ressaltando a importância de respeitar os interesses dos dois países.

O avião russo Il-20 foi abatido sobre o mar Mediterrâneo no dia 17 de setembro, a 35 quilômetros da costa síria, por um míssil do sistema antiaéreo S-200 da Síria, resultando na morte de 15 militares.

Ao mesmo tempo, quatro caças F-16 atacaram instalações sírias em Latakia. De acordo com o Ministério da Defesa da…

Moscou sobre reconhecimento da Coreia do Norte como potência nuclear: não vai acontecer

A Coreia do Norte não será reconhecida pela comunidade internacional como potência nuclear, declarou um diplomata russo, acrescentando que a crise na península apenas pode ser resolvida por meios políticos.


Sputnik

Apesar de Pyongyang aparentemente ter armas nucleares, a Coreia do Norte não será reconhecida como potência nuclear, declarou o diretor do Departamento de Não Proliferação e Controle de Armamento do Ministério das Relações Exteriores russo, Mikhail Ulyanov.


Vista do Kremlin, Moscou
Vista do Kremlin, Moscou, Rússia © Sputnik/ Vladimir Vyatkin

"Levando em consideração as últimas explosões efetuadas, [a Coreia do Norte] realmente possui armas nucleares. Mas isto não significa que a comunidade internacional vá reconhecê-la como potência nuclear oficial. Isso não vai acontecer", afirmou Ulyanov.

Na segunda-feira (25), o ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, disse que o presidente norte-americano, Donald Trump, teria declarado guerra a Pyongyang, levando em consideração a afirmação de Trump de que a "liderança da República Popular Democrática da Coreia não estará aqui [no mundo] por muito mais tempo", e por isso Pyongyang teria o direito de abater os bombardeiros dos EUA.

O Pentágono declarou, por sua vez, que pretende apresentar ao presidente norte-americano várias opções para "lidar com os norte-coreanos" se a Coreia do Norte continuar provocando.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas