Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

'Novo Hitler': líderes do Irã e Venezuela revidam intervenção de Trump na Assembleia Geral

O presidente norte-americano Donald Trump, em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, classificou o Irã e a Venezuela como países "vilões" e "ditadores". Pouco tempo foi necessário para ouvir a resposta agressiva do ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, e do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.


Sputnik

Nicolás Maduro se referiu às recentes declarações de Donald Trump como "sem vergonha", "ignorantes" e "agressivas".


Discurso de Donald Trump na 72a Assembleia Geral da ONU em Nova York em 19 de setembro de 2017
Donald Trump, presidente dos EUA em discurso na ONU © REUTERS/ Eduardo Munoz

O diplomara iraniano acusou Washington de apoiar "regimes tiranos" na região e "país sionista criminoso" depois de Trump, em seu discurso de 40 minutos na ONU, ter chamado o país de "Estado vilão empobrecido e líder em exportar violência, derramamento de sangue e caos que mata muçulmanos inocentes e ataca os seus vizinhos árabes e israelenses pacíficos".

Donald Trump disse também que o acordo nuclear com o Irã é uma "vergonha" para os Estados Unidos. Como se sabe, o acordo levantou muitas sanções econômicas em troca da promessa do Irã de interromper seu programa nuclear.

Já o presidente venezuelano revidou as palavras de Donald Trump, referindo-se ao discurso como "agressão do novo Hitler da política internacional […] contra as pessoas da Venezuela".


Donald Trump chegou a lançar ameaças à "ditadura socialista" do presidente Nicolás Maduro e apelou aos líderes de outros países para ajudar a restaurar "democracia e liberdade política" na Venezuela.

Ele também ameaçou aumentar as sanções econômicas, impostas pelos EUA ao país latino-americano, caso Nicolás Maduro continue com sua política de "imposição de regime autoritário".

Maduro salientou: "Ninguém amedronta a Venezuela e ninguém é dono dela!"

Por sua vez, o presidente norte-americano jurou "destruir totalmente a Coreia do Norte", caso os Estados Unidos sejam forçados a se defender ou a defender seus aliados contra os ataques do Pyongyang. "O homem-míssil está em missão suicida tanto para se próprio quanto para seu regime", declarou Trump se referindo ao líder norte-coreano Kim Jong-un.

"Os Estados Unidos estão prontos, querem e podem, mas espera-se que não seja necessário fazê-lo. Trata-se das Nações Unidas, trata-se dos objetivos das Nações Unidas. Vamos ver o que eles farão."

Líderes mundiais, com exceção do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que estava cheio de graça, concordaram com a ministra das Relações Exteriores da Suécia, Margot Wallstrom, quem descreveu a intervenção de Donald Trump como "o discurso errado, na hora errada e para o público errado".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas