Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Opinião: 'Coreia do Norte não quer guerra, quer garantias de estabilidade do regime'

As sanções e a retórica em torno dos testes de mísseis norte-coreanos falharam em resolver o problema, a solução só pode ser um pacto de estabilidade na Península da Coreia, acredita o analista independente Andrew K.P. Leung.


Sputnik

O sexto e mais potente teste nuclear de Pyongyang realizado no domingo (03) provocou uma condenação imediata por parte da comunidade internacional. 


Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un
Kim Jong-un, líder norte-coreano © Sputnik/ Iliya Pitalev

O presidente dos EUA Donald Trump classificou a Coreia do Norte como um "estado malfeitor", adiantando que as suas ações "continuam sendo muito hostis e perigosas para os EUA".

O analista Andrew K.P. Leung declarou à RT que ele espera "ainda mais barulho e fúria" da parte dos EUA, mas isso não vai resolver o problema.

"Acho que o tempo para a coerção passou […] A Coreia do Norte já demonstrou a sua capacidade de lançar mísseis que sobrevoem o Japão e alcancem o território perto de Guam. Acho…que o tempo da retórica e das sanções realmente passou. É claro que a Coreia do Norte não quer a guerra, porque a guerra significaria a queda do seu regime. Eles querem a garantia firme da estabilidade regional", acrescentou Andrew K.P. Leung ao RT.

De acordo com ele, chegou o tempo de passar das discussões para um pacto de estabilidade na Península da Coreia, que envolva todos os países na região.

"Se alguém quer atacar os norte-coreanos – os seus mísseis estão escondidos em cavernas, são móveis e você não pode ter a certeza de que liquida todos deles. Isso acabará por desestabilizar toda a península. A conversa sobre a decapitação também não funciona", precisou Andrew K.P. Leung à RT.

De acordo com ele, qualquer ação agressiva vai desestabilizar ainda mais a situação na região, com o envolvimento da Rússia e da China no conflito.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas