Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Exército sírio bombardeia terroristas restantes no sul do país (VIDEO)

O exército sírio retomou os ataques de artilharia maciços contra os terroristas restantes na região de Tulul al Safa no deserto de As-Suwayda, no sul do país, depois de eles terem violado a trégua, segundo uma fonte do Exército.
Sputnik

De acordo com uma fonte que falou com a Sputnik Árabe, na terça-feira (16), o Exército sírio e os terroristas que ocupam as colinas de Tulul al Safa firmaram um acordo de cessar-fogo, segundo o qual os combatentes da Frente al-Nusra (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) se comprometeram a entregar as armas depois de serem cercados e sem saída.


Contudo, na manhã da quarta-feira (17) os terroristas atacaram as unidades do Exército sírio. Por sua vez, os soldados repeliram o ataque com êxito e contra-atacaram. Como resultado, dezenas de militantes foram mortos ou feridos. O Exército resolveu retomar os ataques maciços com peças de artilharia apoiadas do ar, tendo como objetivo eliminar as forças terroristas restantes até a épo…

Opinião: objetivo da nova estratégia de Trump no Afeganistão é conter e cercar a Rússia

O verdadeiro objetivo a longo prazo da nova estratégia militar do presidente Donald Trump para o Afeganistão é cercar e conter a Rússia e evitar a sua crescente influência nas regiões da Ásia Central e do Sul, disseram analistas ouvidos pela Sputnik Internacional.


Sputnik

Em 21 de agosto, o mandatário estadunidense afirmou que, para combater o terrorismo, Washington irá aumentar seu efetivo militar no Afeganistão. Entretanto, Trump não forneceu mais detalhes sobre as mudanças.


Trump na cúpula da OTAN em Bruxelas
Donald Trump, presidente dos EUA © REUTERS/ Jonathan Ernst

Para o professor da Universidade da Califórnia Beau Grosscup, o republicano tem metas não declaradas:

"O objetivo estratégico maior é manter o cerco à Rússia para evitar o surgimento de um poder concorrente e o acesso aos valiosos recursos minerais que o presidente Trump reconheceu recentemente que foram relatados há mais de uma década."

A decisão de expandir o número das tropas dos EUA no Afeganistão marca a quebra de uma das promessas de campanha de Trump. Assim como seu antecessor, Barack Obama, o atual ocupante da Casa Branca havia prometido retirar os EUA do conflito.

Grosscup acredita que o plano de Trump é, também, uma influência dos militares próximos do presidente, como secretário de Defesa, James Mattis, o conselheiro de segurança nacional, H.R. McMaster, e o chefe de gabinete John Kelly.

O especialista em Afeganistão e membro da ONG Vozes pela Não Violência Criativa Brian Terrel concorda a avaliação.

"Eu acho que Trump está usando a guerra como um chamado à unidade… [Para Trump] a guerra de 16 anos contra o povo afegão é uma manifestação mais real, mais séria e perigosa de racismo do que uma marcha de KKK", disse Terrel.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas