Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Por que material militar da OTAN está posicionado perto de Donetsk?

A inteligência da autoproclamada República Popular de Donetsk detectou, perto da linha de contato, material militar blindado dos militares ucranianos e caminhões usados por países da OTAN.


Sputnik

"Na área da povoação de Granitnoe foi detectada a chegada de três veículos de combate de infantaria, oito tanques e duas peças de artilharia autopropulsada Gvozdika", informou o diretor do serviço de imprensa do Comando Operacional, Daniil Bezsonov.


Tanques com militares ucranianos perto de Donetsk
Tanques com militares ucranianos próximo a Donetsk © AFP 2017/ Anatoly Stepanov

Além disso, ele adicionou que nos bairros da cidade de Krasnogorovka foi detectada "a chegada de dez caminhões de modelo antigo, que antes eram usados em países da OTAN, carregados com munições, bem como mais de 100 elementos do contingente militar do Setor de Direita [organização paramilitar nacionalista proibida na Rússia]".

As autoridades da Ucrânia iniciaram em abril de 2014 uma operação militar contra as repúblicas autoproclamadas de Lugansk e Donetsk, que declararam sua independência da Ucrânia em fevereiro de 2014. De acordo com os últimos dados da ONU, mais de 10 mil pessoas se tornaram vítimas do conflito.

A questão da regulação da situação em Donbass é discutida durante as reuniões do grupo de contato em Minsk, que já aprovou três documentos que regulam os passos para a desescalada do conflito. Mas os combates entre as partes em confronto ainda continuam.


Postar um comentário