Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Premiê do Iraque pede que Curdistão anule referendo e inicie diálogo

O primeiro-ministro do Iraque, Haider Al Abadi, pediu nesta quarta-feira que as autoridades da região autônoma do Curdistão que anulem o referendo de independência, realizada na segunda-feira, e que comecem um diálogo com a Constituição como base.


EFE

"Se deve anular o referendo e entrar em um diálogo direto sob o marco da Constituição, e exigimos à região que suprima todas as consequências do referendo", disse Al Abadi durante um discurso no parlamento do Iraque.

Haider Al Abadi em foto de fevereiro de 2017. EFE/EPA/Philipp Guelland
Haider Al Abadi em foto de fevereiro de 2017. EFE/EPA/Philipp Guelland

A realização do referendo de autodeterminação do Curdistão iraquiano prejudicou as relações entre a região autônoma e Bagdá, que, em represália, exigiu assumir o controle do tráfego aéreo e das passagens terrestres, ameaçando realizar um bloqueio.

"A relação com a região do Curdistão é estabelecida pela Constituição. Por isso que não dialogaremos em absoluto sobre o resultado do referendo", afirmou o primeiro-ministro.

Al Abadi destacou que alertou as autoridades do Curdistão sobre a crise que o referendo poderia causar na região.

"Defenderemos os cidadãos curdos, como defenderemos os turcomanos, os cristãos e os árabes, tanto dentro como fora da região do Curdistão. Qualquer agressão contra um cidadão curdo é uma agressão contra todos nós", completou o premiê iraquiano.

Além disso, Al Abadi exigiu que o Curdistão devolva os territórios sob administração da região autônoma, uma referência às regiões cujo controle é disputado entre Erbil e Bagdá.

As regiões, entre as quais se destaca a rica cidade petroleira de Kirkuk, estão a província de Kirkuk, Ninawa e Diyala, administradas pelo Iraque e controladas de fato pelas forças de segurança curda, que expulsaram o Estado Islâmico da região.

Postar um comentário