Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Rússia: EUA provocaram combates em Idlib para impedir o avanço sírio em Deir ez-Zor

Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib, informou o ministério da Defesa da Rússia nesta quarta-feira.
Sputnik

Segundo o ministério russo, a ofensiva terrorista foi uma manobra dos serviços de inteligência dos EUA para impedir o avanço das tropas sírias em Deir ez-Zor.


Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib.

"Apesar dos acordos assinados no dia 15 de setembro em Astana, os combatentes da Frente al-Nusra e seus aliados, que se negaram a cumprir as condições do regime de cessar-fogo, iniciaram uma ampla ofensiva contra as tropas governamentais, a partir das 8hs da manhã do dia 19 de setembro, ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib", informa o comunicado.

Durante o dia, os terroristas conseguira…

Reino Unido suspeita que Irã e Rússia estarão ligados ao programa nuclear norte-coreano

Autoridades britânicas consideram que a Coreia do Norte teve tanto sucesso no desenvolvimento do programa nuclear nos últimos tempos por causa do apoio por parte do Irã.


Sputnik

Segundo escreve o jornal Telegraph, o Ministério do Exterior britânico tenta esclarecer se as "atuais e antigas potências nucleares" podiam ter ajudado Kim Jong-un a avançar no programa nuclear e de mísseis. As fontes no governo não acreditam que a Coreia do Norte pudesse dar um passo tão grande sozinha.


Exército Popular da Coreia apresenta, em desfile, complexos de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais (foto de arquivo)
Exército Popular da Coreia em desfile militar © Sputnik/ Ilia Pitalev

Anteriormente, o próprio chanceler britânico Boris Johnson disse ter dúvidas em relação aos avanços nucleares de Pyongyang.

"Atualmente está sendo realizada uma investigação sobre como este país pôde atingir tal progresso em termos tecnológicos. Estamos verificando se alguma antiga ou atual potência teve algum papel nisso", disse Johnson citado pelo Telegraph.

De acordo com informações não especificadas, a Rússia e o Irã estão na lista dos suspeitos.

Em 3 de setembro, Pyongyang declarou ter realizado com êxito seu sexto teste nuclear com uso de uma bomba de hidrogênio projetada para ser instalada em mísseis balísticos intercontinentais.


Postar um comentário