Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Rússia planejaria construir monstruoso porta-aviões de 115 mil toneladas de deslocamento?

A Rússia espera contar com infraestrutura necessária até 2020 para construir um porta-aviões que possa deslocar até 115 toneladas.


Sputnik

"Ao construir novos estaleiros e doca seca no Extremo Oriente, se houver um contrato correspondente, será possível criar um porta-aviões com um deslocamento de 110 mil a 115 mil toneladas. Seremos capazes de fazer isso a partir de 2020", disse o vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, ao canal russo Rossiya 24.


Construção de novos edifícios do estaleiro Zvezda no Extremo Oriente russo
Construção de novos edifícios do estaleiro Zvezda © Sputnik/ Sergey Mamontov

Ao mesmo tempo, segundo ele, o porta-aviões russo custará "muito menos" do que seus análogos norte-americanos. Rogozin também sublinhou que a demanda para esses navios depende das necessidades do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.

Os porta-aviões poderiam ser produzidos na fábrica Zvezda, no Extremo Oriente russo, onde foi iniciada a construção de uma doca seca de 114 metros de largura. "Agora, não temos restrições à tonelagem de navios civis e navios de guerra que podemos construir lá", explicou ele.

Analistas russos disseram à revista norte-americana The National Interest que, embora seja verdade que Moscou esteja construindo um novo estaleiro no Extremo Oriente, não se trata de um projeto militar. Ao invés disso, é uma empresa comercial com grandes investimentos estrangeiros da Coreia do Sul, o que poderia complicar qualquer tentativa de construir um navio militar.

Michael Kofman, especialista em assuntos militares russos do Centro de Análise Naval, falou para a revista que os estaleiros do Extremo Oriente utilizariam uma grande quantidade de importações estrangeiras. Por exemplo, as gruas devem ser compradas da China.

Entretanto, Kofman manifestou dúvidas quanto às capacidades da Rússia de construir um porta-aviões com as características declaradas.

"A Rússia nunca construiu um navio de guerra de tal tamanho e complexidade", lê-se no artigo.


Postar um comentário