Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Será que Rússia se prepara para uma guerra 'continental'?

O Kremlin está se preparando para uma “guerra à escala continental” e vai ser apoiado pela Bielorrússia, acredita o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko.


Sputnik

"Há cada vez mais evidências de preparação para uma guerra ofensiva à escala continental", declarou o presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko comentando as manobras russo-bielorrussas Zapad-2017.


Exercícios militares dos soldados russos
Soldados russos em exercício militar © Foto: TOF press service

Lembrando as "ameaças" provenientes do "país inimigo" aos ucranianos, Poroshenko se esquece dos apelos constantes por parte de Moscou para que os acordos de Minsk sejam respeitados.

As histórias sobre "a ameaça russa" parecem ser mais emocionantes do que a triste realidade em que os ucranianos vivem, insatisfeitos com a vida e com as autoridades.

"Não é menos verdadeiro que a sociedade está insatisfeita com a vida e o governo", reconheceu o presidente, alegando ao mesmo tempo a "agressão externa" para justificar todos os fracassos de Kiev.

Evocar o inimigo comum parece ser, portanto, a maneira mais cómoda de sufocar a violência do conflito interno ucraniano em Donbass, uma região onde uma grande parte dos cidadãos proclama sua independência de Kiev. A verdade é que a Ucrânia está lutando contra seu próprio povo por vários anos.


Postar um comentário