Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vários mortos no confronto entres as forças de Maduro e rebeldes armados

Desfecho sangrento aconteceu durante a operação de captura de Óscar Pérez, que está entre os mortos.O piloto sobrevoou prédios do governo com um helicóptero roubado da polícia em junho do ano passado
Maolis Castro e Florantonia Singer | El País

Vários integrantes do grupo liderado pelo ex-policial Óscar Pérez morreram em um confronto com um coletivo – civis armados chavistas – e um comando da Força de Ações Especiais da Polícia Nacional, em que também morreram dois agentes e um militante chavista. Outros cinco membros do grupo foram presos em uma casa na região de El Junquito, no oeste de Caracas. 

O Governo venezuelano confirmou no início desta tarde que o próprio Pérez está entre os mortos. Seu nome se tornou conhecido em junho, quando roubou um helicóptero da polícia e sobrevoou a sede do Supremo Tribunal de Justiça e do Ministério do Interior. Nunca, em 18 anos de chavismo, ocorreu algo parecido na Venezuela.


O ex-inspetor do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalística…

Será que Rússia se prepara para uma guerra 'continental'?

O Kremlin está se preparando para uma “guerra à escala continental” e vai ser apoiado pela Bielorrússia, acredita o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko.


Sputnik

"Há cada vez mais evidências de preparação para uma guerra ofensiva à escala continental", declarou o presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko comentando as manobras russo-bielorrussas Zapad-2017.


Exercícios militares dos soldados russos
Soldados russos em exercício militar © Foto: TOF press service

Lembrando as "ameaças" provenientes do "país inimigo" aos ucranianos, Poroshenko se esquece dos apelos constantes por parte de Moscou para que os acordos de Minsk sejam respeitados.

As histórias sobre "a ameaça russa" parecem ser mais emocionantes do que a triste realidade em que os ucranianos vivem, insatisfeitos com a vida e com as autoridades.

"Não é menos verdadeiro que a sociedade está insatisfeita com a vida e o governo", reconheceu o presidente, alegando ao mesmo tempo a "agressão externa" para justificar todos os fracassos de Kiev.

Evocar o inimigo comum parece ser, portanto, a maneira mais cómoda de sufocar a violência do conflito interno ucraniano em Donbass, uma região onde uma grande parte dos cidadãos proclama sua independência de Kiev. A verdade é que a Ucrânia está lutando contra seu próprio povo por vários anos.


Postar um comentário