Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Síria contra os curdos? Deir ez-Zor promete converter-se no epicentro de nova guerra

A ruptura do cerco do Daesh em Deir ez-Zor foi considerada a maior vitória do exército sírio sobre o grupo terrorista. No entanto, isso não significa que a luta pela cidade esteja concluída. Grupos apoiados pelos EUA estão se aproximando da cidade a partir do leste e isso pode desencadear um grande conflito contra Damasco.


Sputnik


Os combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS), grupo armado apoiado pelos EUA e composto principalmente por curdos, informaram na manhã de 16 de setembro que suas posições no leste da cidade de Deir ez-Zor teriam sido atacadas pela aviação russa e forças governamentais sírias. De acordo com o representante do grupo, Ahmed Abu Jawla, citado pela agência Reuters, pelo menos seis combatentes das FDS foram feridos.


Combatentes das tropas sírias
Militares sírios © AFP 2017/ GEORGE OURFALIAN

Os grupos que compõem as FDS estão realizando uma ofensiva em direção a Deir ez-Zor a partir do leste do rio Eufrates. Do outro lado do rio, tem lugar uma campanha de libertação da cidade das mãos do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), realizada em conjunto pelo Exército sírio e pela Força Aeroespacial russa.

Os curdos operam sob o comando dos EUA e da sua coalizão, que lhes fornecem todo o tipo de apoio, incluindo apoio aéreo. Em apenas alguns dias, as FDS fizeram um grande avanço em direção a Deir ez-Zor e agora estão a poucos quilômetros da cidade. O comando da aliança norte-americana informou que não permitirá que o exército sírio atravesse o Eufrates e recupere a sua margem leste.

Deste modo, os arredores da cidade de Deir ez-Zor, cujo cerco terrorista de três anos foi recentemente quebrado pelas forças sírias, estão se tornando rapidamente em um novo epicentro do complexo conflito sírio.

O cientista político Aleksandr Asafov falou à agência FAN sobre a situação e as perspetivas do conflito armado na região.

"Hoje, os deslocamentos das formações curdas não têm nada a ver com suas zonas étnicas habituais. Neste caso não se trata de proteção das suas casas, mas de sua participação da guerra dos EUA contra Bashar Assad [presidente sírio]", disse Asafov.

Ele sublinhou que, desde 2012, o território controlado pelos curdos na Síria aumentou seis vezes. Cerca de metade desse aumento ocorreu no último ano.

Enquanto a pressão nos arredores de Deir ez-Zor continuar aumentando, também se agravará o confronto entre as partes.

"Era evidente que, mais cedo ou mais tarde, surgiriam problemas com os curdos. Penso que o conflito é quase inevitável […] É um problema sério que requer uma solução diplomática urgente, porque neste momento toda essa situação ameaça se tornar uma guerra aberta, uma batalha de todos contra todos".

No entanto, é necessário recordar que incidentes similares ocorreram várias vezes. A Força Aérea dos EUA, cuja implantação e operações na Síria não foram abaladas nem por Damasco nem pelo Conselho da Segurança da ONU, bombardeou as posições do exército sírio em Deir ez-Zor várias vezes, o último ataque foi realizado em junho de 2017. A aviação de Israel, o principal aliado dos EUA na região, atacou muitas vezes instalações sírias no centro do país. Em abril de 2017, navios dos EUA lançaram mísseis Tomahawk contra a base aérea de Shayrat na Síria. Meses depois, um caça norte-americano derrubou um bombardeiro sírio perto de Raqqa.

Desta forma, não é surpreendente que Washington opte mais uma vez pela "linguagem das armas" e ataque novamente as tropas sírias nos arredores de Deir ez-Zor, porque esta região é a que tem as maiores reservas de hidrocarbonetos no país, concluiu Asafov.


Postar um comentário