Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Stalin curdo' declarou que os peshmerga pretendem defender Kirkuk das tropas iraquianas

As tropas peshmerga do Partido da Liberdade do Curdistão, alocadas em Kirkuk, estão prontas para defender a cidade, se o exército iraquiano tentar ocupar a cidade, disse à Sputnik Turquia o comandante Hussein Yazdanpanah.


Sputnik

Segundo o interlocutor da agência, os peshmerga não concordam com a decisão do parlamento iraquiano de enviar tropas para Kirkuk. "Se o exército iraquiano entrar em Kirkuk, vamos resistir", disse ele.


Hussein Yazdanpanah, líder das tropas peshmerga
Hussein Yazdanpanah, comandante Peshmerga | Facebook

Yazdanpanah, que foi apelidado de "Stalin Curdo" por sua semelhança física com o líder soviético, lembrou que Kirkuk foi atacada inúmeras vezes por combatentes do Daesh, mas todos os ataques foram repelidos com grandes perdas para os terroristas.

"Centenas de combatentes peshmerga e da população civil perderam suas vidas defendendo Kirkuk. E agora os peshmerga e os civis estão prontos para defender a cidade até o fim. Não há no mundo uma força, capaz de tomar Kirkuk dos curdos", destacou o militar.

Yazdanpanah afirmou que as autoridades iraquianas sempre restringiram os direitos dos curdos. "Os curdos, por outro lado, não desejam a guerra. Queremos paz e relações fraternas com Estados vizinhos", garantiu o líder peshmerga, acrescentando que pretende defender o seu povo, em caso de agressão por parte do Iraque ou da Turquia.

Apesar de tudo, o "Stalin Curdo" pensa que as autoridades turcas não estão interessadas em um conflito com os curdos, pois a Turquia possui interesses econômicos no Curdistão.

No dia 25 de setembro, a região autônima do Curdistão iraquiano realizou um referendo sobre sua independência. Segundo as autoridades locais, 92,7% votaram a favor da separação do Iraque. Bagdá, declarou o referendo de ilegal e afirmou que não pretende negociar com o governo regional.

Na quarta-feira, o premiê iraquiano aprovou junto ao parlamento o envio de tropas para a província de Kirkuk, uma das áreas de exploração de petróleo. Kirkuk está há mais de três anos sob o controle das tropas peshmerga curdas. Nos dias que antecederam o referendo, os militares curdos ampliaram de modo significativo a sua presença nos arredores da cidade.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas