Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Tensão no Oriente Médio: Israel diz que o teste de mísseis do Irã é uma 'provocação'

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, classificou neste sábado como uma "provocação" o teste do Irã de um míssil de médio alcance, e adicionou que isso é uma prova da ambição de Teerã de se tornar uma potência mundial.


Sputnik

Horas mais cedo, o Irã divulgou que testou com sucesso um míssil capaz de voar a uma distância de até 2.000 quilômetros (1.250 milhas) e que pode transportar várias ogivas, desafiando as advertências recentes dos Estados Unidos.


Sistema de defesa antiaérea de mísseis do Irã
© AP Photo/ Ministério da Defesa do Irã

"O míssil balístico que o Irã disparou é uma provocação dos Estados Unidos e seus aliados, incluindo Israel", afirmou Lieberman em comunicado.

"Também é um meio para testar nossas reações, bem como novas provas da ambição do Irã de se tornar uma potência mundial para ameaçar os países do Oriente Médio e os Estados democráticos em todo o mundo".

O teste iraniano aconteceu no final de uma semana de diplomacia aquecida na Assembleia Geral da ONU, na qual os Estados Unidos e Israel denunciaram o Irã e seu acordo nuclear com seis potências mundiais.

O presidente dos EUA, Donald Trump, acusou o Irã de desestabilizar o Oriente Médio, chamando-o de "Estado desonesto cujas principais exportações são violência, derramamento de sangue e caos".

O presidente estadunidense também ameaçou deixar o acordo nuclear de 2015, dizendo que o Irã está desenvolvendo mísseis que poderiam ser usados para entregar uma ogiva nuclear.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que, desde o acordo, o Irã foi "como um tigre faminto desencadeado, não se juntou à comunidade de nações, mas foi devorando nações uma após a outra".

Netanyahu prometeu lutar contra o que ele descreveu como "uma cortina iraniana" que desceu no Oriente Médio e prometeu impedir o Irã de produzir armas que pudessem atingir Israel.

"Aqueles que nos ameaçam com a aniquilação se colocam em perigo mortal. Israel se defenderá com toda a força de nossas armas e o pleno poder de nossas convicções", disse Netanyahu na ONU.

Os inspetores da ONU dizem que o Irã cumpriu seus compromissos de desistir de suas atividades nucleares no âmbito do acordo, que foi alcançado com os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e da Alemanha.

O Irã diz que todos os seus mísseis são projetados para transportar ogivas normais convencionais e limitou seu alcance a um máximo de 2.000 quilômetros, embora os comandantes afirmem ter tecnologia para voar mais.

Isso os torna apenas de médio alcance, mas ainda são suficientes para chegar a Israel ou a bases norte-americanas no Golfo.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas