Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Turquia se gaba que S-400 russos podem abater B-52, F-22 e Tomahawk norte-americanos

Por mais surpreendente que possa ser para os EUA, a Turquia, seu aliado na OTAN, enumerou as aeronaves de combate e mísseis de fabricação estadunidense vulneráveis aos S-400 russos que o país acabou de adquirir, informa o RT.


Sputnik

A agência Anadolu criou um infográfico especial que mostra as capacidades de combate dos S-400 e as armas norte-americanas que o sistema russo "pode eliminar".


Sistemas de mísseis S-400 Triumph do regimento de defesa antiaérea na cidade russa de Teodósia, na Crimeia
Sistema de defesa antiaérea S-400 Triumph © Sputnik/ Sergei Malgavko


A lista inclui os bombardeiros B-52 Stratofortress e B-1 Lancer, bem como os E-3 Sentry, mais conhecidos como AWACS. A lista também inclui meia dúzia de caças norte-americanos e aeronaves de suporte, incluindo o F-22 Raptor e o E-2 Hawkeye, e dois tipos de mísseis táticos – o míssil de cruzeiro Tomahawk e um míssil balístico não especificado, expressa o RT.

Turquia está adquirindo sistemas S-400 russos para desapontamento dos aliados da OTAN. A publicidade parece implicar que a Turquia precisa dos sistemas para se defender de países que possuem tais aeronaves. Eles seriam os EUA e seus aliados, entre os quais estão vizinhos da Turquia – Israel, Arábia Saudita e outros reinos do Golfo.

A OTAN e aliados individuais, incluindo os EUA, criticaram a Turquia pela sua escolha do sistema de mísseis desenvolvido na Rússia, em vez de um produzido por países membros da aliança militar como, por exemplo, os Patriot PAC-3 norte-americanos.

"O que esperam? Nós deveríamos aguardar por vocês? Nós cuidamos de nós mesmos em qualquer ponto relacionado com a segurança. Estamos a tomar precauções e vamos continuar fazendo isso", afirmou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.




Parece que as visões de Ancara se distinguem das da OTAN em uma série de assuntos. A Turquia não concorda com Washington sobre o apoio dos militantes curdos na Síria e no Iraque, porque considera-os uma grande ameaça para si. Os EUA também recusaram satisfazer o pedido do governo turco de extraditar Gulen, acusado de ter organizado a tentativa de golpe de estado na Turquia em 2016.

A Turquia está também em divergência com países europeus, nomeadamente Alemanha, que está acusando o país de violar os direitos humanos e avançar para um regime de ditadura.


Postar um comentário