Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia quer ajudar Iraque a combater curdos em Kirkuk

A Turquia informou nesta segunda-feira que estava pronta para ajudar o governo iraquiano a expulsar os combatentes curdos da cidade de Kirkuk, informou AFP.
Sputnik

Ancara teme que a eventual independência do Curdistão iraquiano pode desencadear movimentos semelhantes entre a população curda na Turquia e saudou a operação das forças iraquianas para expulsar as forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de Kirkuk.


"Estamos prontos para qualquer forma de cooperação com o governo iraquiano de modo a acabar com a presença do PKK no território do Iraque", disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

O Conselho de Segurança Nacional do Iraque afirmou neste domingo que considerará a presença de militares curdos em Kirkuk como um "declaração de guerra".

Na segunda-feira, as forças iraquianas tomaram amplos territórios nos arredores da cidade, bem como uma base militar, um aeroporto e um campo petrolífero.

Em 2014, as tropas peshmerga curdas …

Ucrânia continua procurando obter armas letais, desta vez do Canadá

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, não descartou a possibilidade de o seu país fornecer armas letais a Kiev.


Sputnik

Por sua vez, o presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, afirmou que o Canadá pode desempenhar um papel importante no que se trata de "garantir a paz" em Donbass. Vale destacar que a conversa foi realizada no dia seguinte após os EUA terem recusado entregar essas armas a Kiev. 


O presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko e o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau
Primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e o presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko © AP Photo/ Efrem Lukatsky

De acordo com a edição Globe and Mail, Justin Trudeau comunicou que o seu governo vai estudar a possibilidade de incluir a Ucrânia na lista de países que recebem exportações canadenses de armas letais. Atualmente, na lista há 39 países. De acordo com Trudeau, para isso é preciso reunir "certas condições".

O premier frisou também que, em 2016, o Canadá aumentou o número de seus representantes nas missões da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, uma estrutura que monitora o cumprimento dos Acordos de Minsk.

"O Canadá continuará ajudando a Ucrânia a proteger sua soberania", prometeu Trudeau.

Na sexta-feira (23), depois do encontro com o presidente norte-americano Donald Trump, o líder ucraniano afirmou que Washington não vai fornecer armas letais ao seu país. Anteriormente, Pyotr Poroshenko afirmara que o Senado dos EUA tinha aprovado alocação de US $ 500 milhões (R$ 1,57 bilhões) a Kiev para garantir a segurança e defesa da Ucrânia. Ele sublinhou que o projeto de lei previa o fornecimento à Ucrânia de armas letais defensivas. Entretanto, Washington não confirmou oficialmente essa informação.


Postar um comentário