Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias

No domingo (17), a mídia síria relatou ataque ao povoado sírio Al-Harra, província de Deir ez-Zor, na fronteira com o Iraque, supostamente realizado pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, tendo como alvo forças governamentais. Porém, um oficial americano culpou Israel pelo ataque.
Sputnik

Anteriormente, uma fonte militar relatou à mídia síria que drones "provavelmente americanos" bombardearam Al-Harra, entre Abu Kamal e Al-Tanf.

Segundo dados das Forças de Mobilização Popular iraquianas, o ataque matou 22 soldados iraquianos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que o número total de vítimas corresponde a 52 pessoas, citado pelo Haaretz.

"Entre [os mortos] estão ao menos 30 militares iraquianos e 16 sírios, incluindo soldados e membros da milícia leal ao governo", afirmou à mídia o chefe do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Comentando a notícia, o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Adrian Rankine-Galloway, descartou que W…

Ucrânia continua procurando obter armas letais, desta vez do Canadá

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, não descartou a possibilidade de o seu país fornecer armas letais a Kiev.


Sputnik

Por sua vez, o presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, afirmou que o Canadá pode desempenhar um papel importante no que se trata de "garantir a paz" em Donbass. Vale destacar que a conversa foi realizada no dia seguinte após os EUA terem recusado entregar essas armas a Kiev. 


O presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko e o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau
Primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e o presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko © AP Photo/ Efrem Lukatsky

De acordo com a edição Globe and Mail, Justin Trudeau comunicou que o seu governo vai estudar a possibilidade de incluir a Ucrânia na lista de países que recebem exportações canadenses de armas letais. Atualmente, na lista há 39 países. De acordo com Trudeau, para isso é preciso reunir "certas condições".

O premier frisou também que, em 2016, o Canadá aumentou o número de seus representantes nas missões da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, uma estrutura que monitora o cumprimento dos Acordos de Minsk.

"O Canadá continuará ajudando a Ucrânia a proteger sua soberania", prometeu Trudeau.

Na sexta-feira (23), depois do encontro com o presidente norte-americano Donald Trump, o líder ucraniano afirmou que Washington não vai fornecer armas letais ao seu país. Anteriormente, Pyotr Poroshenko afirmara que o Senado dos EUA tinha aprovado alocação de US $ 500 milhões (R$ 1,57 bilhões) a Kiev para garantir a segurança e defesa da Ucrânia. Ele sublinhou que o projeto de lei previa o fornecimento à Ucrânia de armas letais defensivas. Entretanto, Washington não confirmou oficialmente essa informação.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas