Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

'Unidade de decapitação': Coreia do Sul cria comando para assassinar Kim Jong-un

O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Song Young-moo, informou ao Parlamento do país que uma equipe de elite vai entrar em funcionamento com um único objetivo: assassinar o líder norte-coreano Kim Jong-un, informou o jornal The New York Times.


Sputnik

Chamada de Unidade de decapitação, a equipe contará com um efetivo de 1.500 a 3.000 soldados e poderia realizar incursões noturnas na Coreia do Norte, por meio de helicópteros e aviões de transporte, de acordo com o que teria dito Song.


O líder norte-coreano, Kim Jong-un (foto de arquivo)
Kim Jong-un © Sputnik/ Ilia Pitalev

Ao jornal estadunidense, o general sul-coreano da reserva Shin Won-sik avaliou que "a melhor dissuasão" que se pode ter, além das suas "próprias armas nucleares", é "fazer com que Kim Jong-un tema pela sua vida".

"No sistema medieval da Coreia do Norte, a vida de Kim Jong-un é tão valiosa como a de centenas de milhares de pessoas comuns, cujas vidas estariam ameaçadas por um ataque nuclear", explicou Shin.

Não é a primeira vez que a Coreia do Sul cogita um assassinato de uma liderança da Coreia do Norte para pôr fim à crise na península. Na década de 1960, pensou-se na criação de um corpo militar para se infiltrar e eliminar o então líder Kim Il-sung, avô de Kim Jong-un.

A ideia de Seul era infiltrar um grupo de ex-detentos em solo norte-coreano, mas o plano fracassou quando eles se rebelaram, mataram os agentes que os treinavam e depois se imolaram.

Recentemente, um ex-agente espião sul-coreano declarou que a única forma de resolver a crise na Península da Coreia seria eliminando Kim Jong-un. A volta de tais planos se deve ao pouco avanço efetivo para uma solução por meio de sanções econômicas ou por outros canais diplomáticos.

Neste ano, pelo menos um plano para a morte do líder norte-coreano foi denunciado por Pyongyang.


Postar um comentário