Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

7 opções militares, 300 mil mortos e US$ 1,4 tri: EUA detalham guerra com Coreia do Norte

Um relatório enviado a parlamentares do Congresso dos Estados Unidos, na última sexta-feira, apontou detalhes a respeito dos planos, gastos e perdas que ocorreriam em caso de uma guerra contra a Coreia do Norte.


Sputnik

Segundo o documento, noticiado pela agência sul-coreana Yonhap, são listadas ao menos sete opções militares para lidar com Pyongyang, que preocupa os EUA em razão do avanço dos seus programas de mísseis balísticos e nuclear.


Lançamento de míssil balístico intercontinental, EUA
Lançamento de míssil balístico intercontinental dos EUA © REUTERS/ Lucy Nicholson

O Serviço de Pesquisa do Congresso listou opções que vão desde o reforço da contenção e da dissuasão, passando por uma mudança de governo na Coreia do Norte, e chegando até a uma retirada completa das tropas dos EUA da Coreia do Sul.

As demais opções mencionadas no relatório são militares, "negando (à Coreia do Norte) a aquisição de sistemas capazes de ameaçar os EUA", seja derrubando todos os mísseis de testes de Pyongyang, ou eliminando os mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs, na sigla em inglês) e as instalações associadas – incluindo as nucleares.

Tais iniciativas militares teriam efeitos colaterais, conforme pontuou o documento apresentado aos congressistas estadunidenses. Uma estimativa inicial de mortos aponta para até 300 mil vítimas apenas nos primeiros dias de guerra, e considerando que Pyongyang não use armas nucleares.

"Uma escalada de um conflito militar na península poderia afetar mais de 25 milhões de pessoas de cada lado da fronteira, incluindo pelo menos 100 mil cidadãos dos EUA (algumas estimativas chegam a 500 mil)", apontou o relatório. "Mesmo que (a Coreia do Norte) use apenas suas munições convencionais, as estimativas variam entre 30 mil e 300 mil mortos nos primeiros dias de luta".

Com um potencial de de disparar 10 mil rodadas de artilharia por minuto em Seul, a Coreia do Norte poderia ainda lançar mísseis contra o Japão, incluindo contra estações militares mantidas pelos EUA em território japonês, destacou o documento.

Tão preocupante quanto a perda de vidas é o tamanho dos custos de uma guerra na península. Segundo o relatório, os gastos de uma guerra convencional poderiam atingir até 70% do Produto Interno Bruto (PIB) da Coreia do Sul, que foi de US$ 1,4 trilhão no ano passado, segundo o relatório, citando um estudo de 2010 do grupo de pesquisa RAND.


Postar um comentário