Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

Alemanha, Reino Unido e França apelam aos EUA para que não saiam do acordo nuclear

Alemanha, um membro do grupo P5+1 que alcançou o acordo em relação ao programa nuclear do Irã, apelou aos Estados Unidos para que desistam de abandonar o acordo em meio aos rumores sobre possível saída dos EUA, provocados pelas afirmações do presidente Donald Trump.


Sputnik

A Alemanha, o Reino Unido, e a França pedem para que EUA não abandonem o acordo nuclear, segundo um comunicado emitido por Berlim.


Lançamento de míssil realizado pelo Irã, foto de arquivo
Lançamento de míssil iraniano © AFP 2017/ AMIN KHOROSHAHI / ISNA

Segundo o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, Berlim está segura de que o Irã cumpre o acordo nuclear, o que confirma a Agência Internacional de Energia Atômica. 


"Receamos que os sinais vindos dos EUA" sugiram que o presidente dos EUA Donald Trump venha a rejeitar o acordo nuclear.

O chefe da diplomacia alemã afirmou também que a situação com a segurança pode piorar caso Washington saia do acordo, acrescentando que isso causa preocupações.

Gabriel também disse que uma possível ação de Washington pode prejudicar a resolução da crise coreana, pois é duvidoso que Pyongyang aceite um acordo caso algo semelhante falhe com o Irã.

O anúncio foi feito em meio aos rumores sobre possível saída dos EUA do acordo, provocados pela recente afirmação de Trump. Na quinta-feira passada (5), o presidente norte-americano intrigou os jornalistas durante uma cúpula militar, quando ele e líderes militares do país estavam sendo fotografados, descrevendo o tempo como "calmaria antes da tempestade".

A frase suscitou especulações na mídia sobre abandono do acordo nuclear pelos EUA, enquanto o The Washington Post noticiou, citando oficiais anônimos, que Trump vai revogar o acordo internacional com o Irã em uma semana, pois não corresponde aos interesses nacionais dos Estados Unidos.

No sábado (7), o Irã outra vez defendeu o acordo nuclear enquanto o presidente iraniano disse que Donald Trump não pode mudar o fato de o acordo ser "irreversível". O Kremlin, por sua vez, comentou na segunda-feira (9), que a possível saída dos EUA do acordo nuclear terá consequências negativas. Mais cedo, forte apoio ao acordo foi expresso pela China.

O Plano de Ação Conjunto Global, frequentemente referido como acordo nuclear iraniano, foi assinado em julho de 2015 pelo Irã e pelo grupo P5+1 constituído pelos EUA, Rússia, China, França e Reino Unido mais Alemanha após anos de negociações.

Donald Trump chamou o acordo, atingido durante presidência de Barack Obama, de "vergonha" para os Estados Unidos durante seu discurso perante a Assembleia geral da ONU, criticando-o repetidamente durante sua campanha eleitoral.

Postar um comentário