Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Países muçulmanos reconhecem Jerusalém como capital do Estado da Palestina

Os países da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) acordaram nesta quarta-feira reconhecer Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidaram as outras nações a fazer o mesmo, em resposta à decisão dos EUA de declarar Jerusalém como capital de Israel.
EFE

"Declaramos Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidamos todos os países a reconhecer o Estado da Palestina com Jerusalém Oriental como sua capital ocupada", indica a minuta da declaração preparada nesta quarta-feira em Istambul por esta organização, formada por 57 países de maioria muçulmana.


A OCI, formada por 57 países de maioria muçulmana, inclui desde sua fundação em 1969 a Palestina como membro pleno, com sua capital em Jerusalém.

O documento, apresentado pelos "reis, chefes de Estado e de Governo dos Estados membros da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI)", apresenta em 23 pontos a postura do mundo muçulmano perante a decisão dos EUA.

Nesse texto, a OCI &quo…

Analista sobre venda de S-400 à Arábia Saudita: na política se inicia uma nova fase

A Rússia e Arábia Saudita acordaram sobre o fornecimento de sistemas de defesa antiaérea S-400. O especialista em ciências políticas Yuri Pochta, em entrevista ao serviço russo da Radio Sputnik, frisou que há muito tempo que Riad está ligado com Washington via fortes laços de cooperação, contudo, mas chegou a hora de "olhar para os lados".


Sputnik

Maria Vorobyova, representante oficial do Serviço Federal de Cooperação Técnico-Militar da Rússia afirmou nesta segunda-feira (9), que a Rússia e Arábia Saudita firmaram um acordo quanto à venda de sistemas de defesa antiaérea S-400 e outros tipos de armas.


Sistema de mísseis S-400
Sistema de mísseis S-400 Triumph © Sputnik/ Vitaly Ankov

Além disso, a empresa russa de armamentos Rosoboronexport e a empresa Indústrias Militares da Arábia Saudita (Saudi Arabian Military Industries, SAMI, na sigla em inglês) assinaram um acordo sobre a organização da produção de fuzis Kalashnikov AK-103 e respectivas munições no reino árabe.

O especialista em ciências políticas, professor Yuri Pochta, avaliou em entrevista ao serviço russo da Radio Sputnik as perspectivas da colaboração da Rússia e Arábia Saudita.

"Em 2007, [a Rússia e Arábia Saudita] já tentaram chegar a acordo quanto à cooperação técnica e militar, depois fizeram o mesmo em 2012 […] Este processo decorre com muitas dificuldades, já que há muitos anos que a Arábia Saudita está ligada estreitamente com os EUA com relações fortes no campo financeiro, econômico, político, no problema de segurança regional e com vendas de armas com um valor bem alto. Será muito difícil tomar outro rumo quanto à colaboração com outros países. Mas a Arábia Saudita está se decidindo."

De acordo com ele, Riad percebe que já não pode limitar sua parceria apenas a Washington, e reconhece a necessidade de colaborar com Moscou.

"Mesmo que o cumprimento desse acordo seja exercido com muita dificuldade, este [acordo sobre a remessa de S-400] é um sinal de que a Arábia Saudita reconhece a necessidade de diversificação da colaboração militar e técnica, que o problema de segurança do país e dos estados vizinhos agora depende não apenas da posição de monopólio dos EUA, mas também da Rússia. Além disso, é um sinal de que a Rússia virou um mediador importante nas relações da Arábia Saudita com, por exemplo, o Irã, e que atualmente a Rússia desempenha um papel significativo na resolução do problema sírio. Está ficando claro que a Arábia Saudita precisa de olhar para os lados, que o anterior apoio limitado a Washington virou arriscado", assinalou o especialista.

Ele acredita que a situação na política mundial está mudando, pois está chegando uma nova fase.

"Os suprimentos de armamento russo, o interesse da Rússia na colaboração estreita com a Arábia Saudita e com vários outros países do Oriente Médio é um fator importante da situação política atual. Os acordos com a Arábia Saudita apontam para uma nova fase em nossa política no Oriente Médio e na política mundial em geral", ressaltou Yuri Pochta.

O Pentágono já expressou suas preocupações quanto aos planos de Riad de comprar os sistemas S-400, justificando isso com "incompatibilidade operacional desses sistemas com os da fabricação norte-americana".

Por sua vez, Moscou frisou que a colaboração da Rússia com a Arábia Saudita no campo militar não é dirigida contra outros países, mas visa garantir a "estabilidade no mundo e na região".


Postar um comentário