Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

'Apenas uma coisa vai funcionar', diz Trump sobre Coreia do Norte

Presidente americano e governo da Coreia do Norte travam guerra verbal que se tornou frequente nos últimos meses.


Por G1

O presidente norte-americano Donald Trump usou o Twitter neste sábado (7) para criticar a relação das administrações passadas com a Coreia do Norte e disse que "apenas uma coisa vai funcionar" para diminuir as tensões com o país, sem especificar o que seria.

Homem observa imagem do presidente americano, Donald Trump, e do líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Seul, na Coreia do Sul  (Foto: Ahn Young-joon/ AP)
Homem observa imagem do presidente americano, Donald Trump, e do líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Seul, na Coreia do Sul (Foto: Ahn Young-joon/ AP)

"Presidentes e suas administrações têm conversado com a Coreia do Norte há 25 anos, acordos feitos e uma enorme quantidade de dinheiro paga não funcionaram, acordos foram violados antes que a tinta secasse, fazendo os negociadores dos EUA de tolos. Desculpe, mas apenas uma coisa vai funcionar", disse o presidente pelo Twitter.

Há uma semana, Trump disse que o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, estava perdendo tempo ao tentar negociar com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, a quem ele chama de "Little Rocket Man" (Pequeno Homem do Foguete, em tradução livre).

Tillerson tinha declado que os Estados Unidos abriram "canais de comunicação" com a Coreia do Norte e avaliam se o regime de Kim Jong-un está disposto a dialogar sobre seu programa nuclear.

EUA x Coreia do Norte

A Coreia do Norte diz que está desenvolvendo um míssil que seja capaz de atingir o território americano. Em julho, o país testou o lançamento de um míssil balístico intercontinental que especialistas acreditam poder alcançar o Alasca, mas não os estados americanos mais ao sul do continente. Pyongyang diz que o míssil pode carregar uma grande ogiva nuclear.

Além disso, o presidente dos EUA, Donald Trump, e o governo norte-coreano travam uma guerra verbal em torno do programa nuclear e do lançamento de mísseis, que se tornou mais frequente nos últimos meses.

O ministro de Relações Exteriores da norte-coreano chegou a afirmar que os Estados Unidos declararam guerra contra o seu país ao afirmar que ele e Kim Jong-Um não ficariam no poder por muito mais tempo. O governo americano nega.

A troca de insultos não parou. O norte-coreano atacou duramente o mandatário americano, chamando-o de "um transtornado mental que está repleto de megalomania", em fala na Assembleia Geral da ONU. Dias antes, Trump afirmou em sua estreia na ONU que destruiria o país se não tivesse escolha.

A Coreia do Norte também já ameaçou usar armas nucleares para "afundar" o Japão e reduzir os Estados Unidos a "cinzas e escuridão" por apoiar a resolução e sanções do Conselho de Segurança da ONU.

No dia 15 de setembro, Kim Jong-un afirmou que a Coreia do Norte está “perto” de atingir sua meta de poder nuclear completo, apesar das sanções ao seu regime, de acordo com a agência de notícias KCNA.

Postar um comentário