Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

Armada de Trump: três porta-aviões estarão na Ásia durante visita do presidente americano

O raro movimento da Marinha dos EUA para desdobrar simultaneamente três porta-aviões no Pacífico criará uma grande exibição de poder marítimo americano no momento em que o presidente Donald Trump planeja visitar a região pela primeira vez na próxima semana.


Por Geoff Ziezulewicz e David B. Larter | Defense News | Poder Naval

Os três porta-aviões da US Navy — acompanhados por mais de 20 mil marinheiros, centenas de aeronaves e uma série de destróieres e cruzadores — estarão em trânsito na área de operações da 7ª Frota, com sede no Japão.


USS Nimitz (CVN 68), USS Kitty Hawk (CV 63) e USS John C. Stennis (CVN 74) Carrier Strike Groups transitam em formação durante exercício para foto aérea em 14 de agosto de 2007. Uma formação sermelhante deverá ocorrer na próxima semana, durante a visita do Presidente dos EUA Donald Trump à Ásia. Foto: US Navy

É uma ocorrência incomum e vem em um momento de tensão crescente com a Coreia do Norte, que tem ameaçado repetidamente os Estados Unidos e tem feito testes de mísseis provocativos contínuos nos últimos meses.

A última vez que a Marinha operou três grupos de porta-aviões em conjunto foi em 2007, disse o tenente Kenneth McKenzie Jr. a repórteres no dia 26 de outubro. Os porta-aviões USS Nimitz e USS Theodore Roosevelt, com sede na costa oeste, serão acompanhados pelo porta-aviões baseado no Japão, USS Ronald Reagan.

Um exercício conjunto envolvendo as três porta-aviões não foi anunciado publicamente, mas os oficiais da Marinha que falaram sob condição de anonimato disseram que o planejamento está em andamento.

Espera-se que os porta-aviões se encontrem para uma oportunidade de fotografia, do tipo que tem pouco significado operacional, mas sim simbólico para aliados e adversários da região, de acordo com um funcionário com conhecimento do assunto.

A Casa Branca anunciou a viagem de Trump de 12 dias para a Ásia a partir de 3 de novembro. O comandante em chefe fará paradas no Havaí, Japão, Coreia do Sul, China, Vietnã e Filipinas.

Um oficial de defesa disse que os cronogramas sobrepostos dos porta-aviões foram definidos meses antes da Casa Branca finalizar seus planos para a visita de Trump.

“Certamente não é algo que planejamos coordenar com mais ninguém”, disse o oficial de defesa, que pediu anonimato porque não estava autorizado a falar sobre o assunto.

No momento em que os desdobramentos dos porta-aviões foram planejados, a mensagem foi direcionada mais para a disputa sobre as reivindicações da China no Mar da China Meridional, em vez da Coreia do Norte, disse um funcionário.

O Chefe do Joint Chiefs of Staff, general Joseph Dunford, esteve na Coreia do Sul esta semana, e minimizou o momento da chegada dos porta-aviões, dizendo que o movimento estava programado há vários meses.

Dunford disse que porta-aviões não estão “especificamente dirigidos para a Coreia do Norte”.

No entanto, muitos especialistas da Marinha dizem que a mensagem será inegável quando tanto poder aéreo e naval estiver em uma região onde o presidente dos EUA está visitando, e no quintal da Coreia do Norte.

“Sem dúvida, muitos observadores notarão a confluência e juntarão dois e dois”, disse Jan Van Tol, capitão da Marinha aposentado que comandou navios de guerra na 7ª Frota, ao Navy Times.

Os grupos de porta-aviões que se sobrepõem em um comando não são incomuns, disse Van Tol. No entanto, acrescentou: “Seria interessante se um ou ambos os porta-aviões baseados na costa oeste fizessem uma visita portuária ao Japão ou na Coreia do Sul.

“Isso pode ser sinalizado para os atores regionais”, disse Van Tol.

A Marinha tem um total de 10 porta-aviões, e nenhum deles está atualmente na Região do Comando Central dos EUA, disseram oficiais da Marinha.

Alguns expressaram preocupação de que, em uma situação de alta tensão como a de Washington e Pyongyang, pequenos erros ou mal-entendidos poderiam provocar um conflito.

Van Tol disse que não vê os porta-aviões reunidos na região como um desses catalisadores, enquanto Trump faz a visita.

“Ao contrário do estereótipo do louco de Kim Jung-Un, Kim e o regime são altamente racionais, se profundamente maus”, disse Van Tol.

“Este regime atrasado e de pobreza conseguiu sobreviver por muitos anos, enquanto extorquem todo tipo de coisas de pessoas de fora e continuam implacavelmente em direção ao seu objetivo”.

Operacionalmente, no entanto, três porta-aviões são um “número mágico”, disse Jerry Hendrix, um capitão aposentado da Marinha que agora é um membro sênior no “think tank” Center for a New American Security.

Um porta-aviões pode operar 12 a 14 horas por dia antes de ter que fazer uma pausa nas operações para a manutenção do convés de voo e o descanso da tripulação.

Dois porta-aviões podem operar durante 24 horas por dia, mas apenas por seis dias seguidos. No sétimo dia, é preciso pausar as operações para manutenção, enquanto o outro faria a pausa no oitavo dia, disse ele.

“Mas quando chegam três porta-aviões, pode-se obter uma reação crítica onde podemos operar 24/7, 365”, disse Hendrix ao Navy Times.

Ainda assim, Hendrix pensa que os três porta-aviões que convergem são mais um caso de “diplomacia coerciva” do que qualquer preparação para uma operação militar.

Os grupos de ataque enviam uma mensagem não apenas para a Coreia do Norte, mas para a China, que Trump deverá visitar no mês que vem.

“Eu não ficaria surpreso se os exercícios ocorressem em alguma região geográfica que está sendo contestada para demonstrar que os Estados Unidos têm a capacidade de operar no alto mar quando e onde quiserem”, disse Hendrix.

O fato de o Pentágono indicar que o exercício de porta-aviões vai acontecer também mostra que isso não é preparação para um ataque, disse ele.

“É muito improvável que os Estados Unidos pretendam iniciar uma guerra com o nosso presidente na região”, disse Hendrix. “Este é um sinal forte para os tradicionais aliados e parceiros dos EUA na região”.


Postar um comentário